segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Incompleta Caminhada


Foram tantas as vezes em que senti
O peso sem medidas da minha solidão
E hoje parece ter sido pouco o que já vivi
Tamanha é a dor que machuca meu coração

Pensando bem, eu já devia ter me acostumado
Com a falta de amor, de carinho... De atenção
Mas há dias em que o peso parece ser mais socado
Essa pequena atitude, fez-me  ver-te com outra visão

Por que será que nunca compreendem de fato
O que se esconde na tristeza de um olhar?
Todas as verdades como sempre ao mundo as calo
Pois eu sei que muitas delas só faria mesmo magoar

Mais um tempo em minha vida passado e não vivido
Mais situações choradas e em vão por mim reclamadas
Apenas o tempo, esse infeliz e o mais cruel inimigo
Ainda me lembra que falta completar a minha caminhada

sábado, 3 de outubro de 2015

VÃ ESPERANÇA


Hoje, a saudade se fez mais forte e dorida dentro de mim... Saudades do que passou e perdi... Saudades principalmente do que não vivi...
Tenho a alma em prantos e na verdade nem entendo a razão, só sei que dói... Dói muito, sinto o peito rasgando diante do que nem eu consigo compreender.
Saudades daquele tempo em que eu era apenas uma criança e não sabia das dores que eu teria ainda que sentir.
Como eu queria fechar os olhos e descobrir que eu ainda sou aquela criança peralta e tão cheia de vida... Ou até mesmo olhar-me no espelho e ver aquele par de olhos verdes de esperanças e em tantas ocasiões com a inocência de um límpido e tranquilo olhar de quem nunca soube o que era maldade...
Ah! como dói olhar para trás e descobrir simplesmente que esqueci de viver.
Há dias, como hoje, em que o passado parece bater à minha porta com insistência e desesperada percebo ser tomada por uma fria indiferença... A dor da saudade que tocou fundo minha alma, parece querer me mostrar que o melhor de mim foi antes de você surgir em minha vida, quando a ousada inocência parecia brincar com tudo e com todos...Acho que hoje senti muito mais você morrer dentro de mim do que eu própria quando me assassinei na vã esperança de matar você dentro da minha melhor saudade...


quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Faltou Sentimentos


Crônica
Um dia você acorda e como num estalar de dedos descobre o que sempre esteve ali e você nunca quis ver... De repente você percebe que sempre foi um par de muletas e até mesmo o saco de pedir... Em algumas situações.
Olhando para trás você ainda pode vislumbrar por todos os acontecimentos passados que sempre foi assim, o problema foi você nunca ter querido aceitar... Acreditar que assim fosse.
Um olhar sereno, raro acontecimento, no máximo desperta curiosidade, se for a tristeza a ressaltar, indiferença ou impaciência. Mas se fores analisar todas as situações , com um certo desgosto tomas a consciência de que nada mais foste ou és que não um par de muletas e nunca um ombro amigo como tantas vezes julgaste...
Sim, um par de muletas, principalmente quando o saco estava rasgado e se fazia necessário alguém para cosê-lo.
É até um pouco aterrador, mas na verdade sempre faltou sentimentos... Faltou amor...
E ainda percebes que o maior erro é dar prioridade a quem nunca lhe viu como tal...

domingo, 13 de setembro de 2015

ENTRE A RAZÃO E A EMOÇÃO


Minha alma foi verdadeiramente  pega de surpresa, 
Embora a minha voz nada conseguiu demonstrar
Tentei buscar na memória dessa afeição toda beleza
Mas meu coração taciturno nada conseguiu encontrar

Fiquei te ouvindo tentando rebuscar na minha memória
Nos momentos por tanto tempo sonhados e também divididos
A razão que havia matado meu sonho de forma tão simplória
Onde mais pareciam nunca na verdade terem um dia existidos

Não me chegou nenhuma paz e nenhum tormento ao te ouvir
Era como se nunca tivesse existido nada entre nós, nem sonhos
Busquei-o nas verdades que um dia eu pensei pra mim existir
Mas estes se perderam no ar como os versos que hoje componho

Não sei se é bom ou ruim o que hoje descobri sem surpresa
Mas meu coração de tanto se enganar decidiu ser  arredio
E assim  tornei-me um iceberg à deriva nessa vida de incertezas
E hoje acomodei a minha alma nesse violento e tenebroso frio

Nunca mais irei sonhar ou simplesmente acreditar em sorrisos
Não  terei audição para vozes melosas ou mesmo sensuais
Criarei um imaginário mundo sem sortes ou mesmo improvisos
Adormecerei tudo o que foi. E novo espaço em minha vida... Jamais





domingo, 30 de agosto de 2015

ESPELHO QUEBRADO


CRÔNICA

Olhando para os lados, percebi até com certo temor que não é você quem te afasta das pessoas e sim são elas que te empurram para longe de si... A confiança na verdade é algo que se adquire aos poucos e que muitas vezes leva algum tempo para se ter e por incrível que pareça, é exatamente uma das coisas que se perde em frações de segundos e que não adianta insistir pois com certeza jamais se terá de volta.
Pergunto eu nesse momento: Um espelho quebrado pode refletir a imagem como antes, mesmo que tenha sido colado? Não, é impossível. Assim mesmo é a tal da confiança, depois de quebrada, não há cola no mundo que conserte o estrago.
Portanto reflita... Não brinque com os sentimentos do vosso semelhante, será que gostarias de ser alvo da má fé ou simplesmente da brincadeira de alguém? Tenho por certo que não. Aquilo que não queremos pra nós não devemos dar aos outros... É muito bom respeitar e ser respeitado e melhor ainda é não ter os nossos caminhos cruzados por pessoas que parece que esquecem que mentira tem pernas curtas, e que o acaso sempre se faz presente e muitas vezes para  evitar um ocaso... Vamos refletir e entender que no mundo já há muitas coisas ruins, então não vamos dar nossa contribuição para torná-lo menos alegre em especial a quem por certo não merece...


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

VONTADE DE PARAR


                              Ao meu amigo Joaquim Pito

Por que te preocupas meu querido menino
Quando não encontras minhas postagens?
São nos momentos em que fito meu destino
E tudo o mais vai me parecendo miragem

Deixo represada a minha tristeza e angústia
E não sinto mais vontade de as libertar
E sinto passar pela mente ideias estapafúrdias
Como essa insistente vontade de querer parar

Parar de rasgar a alma como sempre tenho feito
Parar de deixar as lágrimas verterem em versos
Pois essa dor que corrói cruelmente em meu peito
São as pagas por não gritar meus mudos protestos

Ah! meu adorável menino Joaquim Pito
Não te preocupes com a minha ausência
Bem sei o quanto aprecias os meus escritos
Os amigos, a esses os tenho em permanência

Aceite meu amigo querido esses poucos versos
Saíram do coração nesse preciso instante
São palavras presas aos sentimentos dispersos
É na verdade o meu carinho puro e abundante



domingo, 9 de agosto de 2015

Acredito Ser Você


Eu hoje estou mais triste que o costumeiro
Olho por cima dos ombros e pareço nada ver
Uma sombra de amargura me acompanha
E eu nada mais espero ainda me acontecer
Nada que possa trazer-me um sorriso de alegria
algo que realmente aconteça e me tire dessa agonia
Que eu sinto crescer ao surgir de cada novo dia
Pois falta na minha vida algo... E acredito ser você
Há dias que a minha alma vem chorando sem cessar
E penso que nada eu sinto vontade de fazer
Nem mesmo desejar de alguma forma mudar algo
Que pudesse tirar da minha mente cansada... Você
Mas não adianta nisso eu ainda querer insistir
Pois nada do que aconteça mudará esses existir
que um dia sonhamos e algo nos fez desistir
Desse mundo de sonhos que não consigo esquecer
Perdi-me no ontem enganador das tuas promessas
Que por décadas em mais nada deixou-me pensar
Vivi cada sonho que pra nós, foi por ti tão imaginado
Sem saber que eram apenas sonhos a se sonhar
Sonhos belos, doces ternos e encantadores
Que mais tarde seria com certeza a maior das dores
Pois não teria mais vida, nem brilho nem cores
Pois eram sonhos que no tempo deixamos ficar
Hoje estou muito triste... Infeliz mesmo, bem se vê
Algo em amargo silêncio se quebrou dentro de mim
Nada consigo sentir... Nada parece de fato me afetar
Nunca imaginei que um dia eu ainda me sentiria assim
Não sei exatamente o que está acontecendo de fato
Estranhamente eu nada ouço e apenas me calo
Tento desesperada pensar em algo e um leve estalo
Me mostra que nada há pra pensar, apenas aceitar o fim

quarta-feira, 29 de julho de 2015

COMO UMA ÁRVORE



Quantas vezes me senti dessa vida tão cansada
De brigar com o tempo e de tudo o que nele há
E foram tantas as minhas descabidas cabeçadas
Talvez por isso não encontrei o que me faria mudar

Foram todas longas e cansativas as muitas galgadas
Que pela vida à fora eu sempre me vi forçada a dar
E tantas foram as injustiças  contra mim praticadas
Mas mesmo assim eu nunca desisti de continuar

Os anos foram se passando e tudo permaneceu igual
Nada, ao menos dentro de mim, sinto que mudou
As angústias se somavam e sempre foi muito desigual
E o momento que eu sempre esperei... Nunca chegou

Inúmeras foram as vezes que me senti como uma árvore
Vendo a seiva da vida se esvaindo de mim aos borbotões
E meu rosto sempre permanecia rígida como m mármore
E dessa forma me vi perdendo todas as minhas emoções

E continuei minha vida, dia após dia... Ano após ano
E o novo sempre se fazia velho, aliás, ultrapassado
Alegrias eram cada vez mais raras no meu cotidiano
E o desgosto continuava sempre fiel... Ao meu lado

E travando uma luta desigual e sempre crescente
Vi o por do sol da minha vida, traiçoeiro despontar
E me vi mergulhando numa solidão mais temente
A terrível solidão que não lhe permite mais sonhar

E pensando no por do sol que cruel e inclemente
Ameaça chegar sem me dar mais chances pra viver
Uma outra história que fosse da vida um presente...
Mas foi aí que o destino resolver apresentar você

Em poucos dias nem lembrava quem eu era
Minha vida aos pouco apresentou uma nova cor
Me surgia o momento que a vida toda se espera
Aquele momento que se transforma em amor

Lutei contra meus princípios pesando as mágoas
Mesmo lutando contra tudo ser em vão percebi
Por debaixo da ponte da vida rolarias muitas águas
Mas tudo em mim  mudou depois que lhe conheci

Os sonhos povoavam minha mente em desalinho
Acreditei em você como parte das minha verdades
Acreditei que nada mais iria mudar meu caminho
Pois eu era só alegria e esperanças de real felicidade

Mas da mesma forma que chegasses um dia  a mim
Você também se foi sem nem sequer olhar pra trás
Inevitavelmente surgiu o que eu mais temia, o fim
Só que dessa vez o sofrimento foi mas forte, doeu mais

Não sei se mereci da vida esse desenlace final
Nem mesmo sei o que de fato nisso tudo aconteceu
Só sei que foi de forma cruel e me fez muito mal
Aí percebi que sem cerimônia a minha alma morreu

Hoje, não existe em mim algum tipo de arrependimento
Apenas percebo que mergulho aos socavões do meu ser
Minha vida era triste, mas não havia esse sofrimento
Que um dia me foi presenteado cruelmente por você

Já não encontro mais razões para sorrir pra vida de fato
Apenas sigo a minha caminhada tão cheia de espinhos
E percebo como me é indiferente até mesmo os abraços
Que vez por outra eu ainda vejo surgir em meu caminho

De tudo isso eu tirei apenas uma grande e fria lição
Como era de se esperar, uma couraça de indiferença ergui
E coloquei sem dificuldades no lugar do meu coração
Hoje, trago no peito uma pedra onde soterro tudo que vivi












terça-feira, 28 de julho de 2015

OUVINDO VOCÊ


Ao Menino Pedro Potiguara

Quantas vezes dentro do meu próprio silêncio
Fico lembrando as vezes que estou ouvindo você
E acredite menino Pedro, são nesses momentos
Que meus pensamentos quase sem eu querer
Ouve você aos meus sofrimentos dar emoção e vida
E percebo que foram muitas as caminhadas perdidas
E  minha alma vai se  libertando dessa forma sentida
Quando ao te ouvir desdenho do tempo sem sofrer

E  um dia virtualmente cruzaste o meu caminho
Percebi que o profissionalismo regia teus passos
E surpreendentemente teu outro lado descobri
Do ser humano ímpar, e criamos um virtual laço.
Hoje, ouvir meus escritos por ti tão bem gravados
E de uma maneira belíssima vida a eles tens dado
O que tem me feito rever meus conceitos atrasados
Embora o meu existir parece caminhar em compasso

E nesse grande profissional as vezes me pego pensando 
E no muito que ele representa nesse meu mundo virtual
Pois além de um amigo, o tenho também como um irmão
As vezes me fazes rir, com teu humor e jeito sensacional
És pra muito importante menino Pedro Potiguara
E até hoje eu nem mesmo pra mim revelara
Que aquele peso que por tanto tempo eu carregara
Diminuíste meu fardo com tua doçura nesse lado profissional



AS MUITAS RUÍNAS


Mais um dia de chuva e eu aqui quieta... Pensativa
Quantas vezes nesse som embalei meus muitos sonhos
Que parecia (e sem medo fazer-me) por inteiro criar vida
Mas que hoje, esse mesmo som tem um sentido medonho

Se olho para trás vislumbro apenas as muitas ruínas
Que aos poucos tirou o brilho e a beleza do meu olhar
E foi você que me transformou na minha própria assassina
Pois matei dentro de mim a última chance de ainda amar

Perdi-me embalada pela voz tentadora do teu existir
Sufoquei-me ao perceber que pra ti fui apenas brinquedo 
Não entendi onde estava o real prazer desse teu sentir
E pior, eu ainda acho que fui o acréscimo desse seu medo

Medo de se sentir preso ou apenas de ser realmente feliz
Me desses tanto e em troca nada pedias, mas tudo querias
Por algum tempo tive a brisa do amor como eu sempre quis
Mas por outro lado a angústia da solidão eu  já pressentia

Tanto te quis, tanto sonhei e construí em sonhos nossa vida
Mas o tempo e a distância apenas conseguiu me mostrar
Que nada do que juntos sonhamos e as vezes de forma atrevida
Era o que realmente reservavas para comigo um dia partilhar

Quantas esperanças perdidas... Quantos sonhos desfeitos
Hoje em mim não existe sentimentos de nenhum tipo
Apenas tristezas e indiferenças povoam o meu peito
E é apenas com amargura que esta vida perdida eu ainda fito


sábado, 18 de julho de 2015

AMOR PERDIDO


 À menina Maria Egídia

Hoje uma saudade muito forte me doeu
Pois fui visitada por uma insônia cruel
E as lembranças que em mim não arrefeceu
Me fez entre lágrimas sorver um cálice de fel

Fel pela tua ausência meu grande e único amor
Que durante duas décadas conseguiu me mostrar
A força que regia o sentimento que em nós brotou
E foi o melhor que a vida um dia pode me presentear

E nessa madrugada as recordações se fizeram maior
Ainda pude sentir das flores que me davas o odor
E cada gesto teu e palavras ainda as guardo de cor
E foste sem dúvida o homem mais completo meu amor

Mas quis a fatalidade um dia levar-te de mim
Ainda hoje choro a saudade dos nossos momentos
E juro-te que nem a morte ao nosso amor pôs fim
Pois vives dentro de mim e de meu olhar modorrento

As rosas e os cravos que me presenteavas eram diferentes
Tinham o mais firme e delicioso de todos os perfumes
E desde aquele dia que o vi, e eu era apenas adolescente
O destino nos uniu sem eu saber que me restaria os queixumes

Hoje sozinha penso no muito que me deste e que eu te dei
E confesso que foram os melhores anos da minha vida
Foste o amigo, o marido o amante num único homem que amei
E por quem ainda choro todas as lembranças em mim sentidas

Um grande e louco amor perdido para o próprio destino 
Deus assim permitiu continuar a minha jornada sozinha
E sei que cada momento que eu lembre meu amado menino
Terei por consolo teu afago imaginário nessa solidão tão minha


sexta-feira, 10 de julho de 2015

INUSITADA LIGAÇÃO


Crônica:
Ontem á noite eu estava um pouco estressada, talvez por estar às voltas com um (pra mim) estranho aparelho de celular. Estranho pela falta de manuseio do mesmo, já que eu estava acostumada ao meu, mas a minha menina Ashley me pede pra trocar de celular, pois o meu era exatamente o que ela estava precisando, fiquei um pouco ressabiada, pois eu não sou ligada a essas modernidades, e depois que eu me familiarizo com o meu ela me vem com essa proposta...
Mas terminei por aceitar, mesmo sem muita boa vontade em fazê-lo.
Ela formatou ambos aparelhos, e de momento ela instalou o que eu mais usava, foi pro quarto dela e me deixou olhando entre desconfiada e temerosa de fazer alguma bobagem (sou péssima em tecnologia).
Estou eu mexendo no celular, tentando não me perder, (já que este é diferente do meu), quando sem querer eu toco, (um leve toque) e percebo estar iniciando uma chamada, me desespero em querer interromper a mesma, mas descubro ser em vão, não tenho a mínima noção de como fazê-lo e incomodar a minha filha estava fora de cogitação.
- Alô!
Do outro lado se fez ouvir uma voz forte, e timidamente eu falo... É a Gábata.
A voz diz: Menina que surpresa... E eu: - Desculpe, liguei sem querer.
A voz responde: - E ela é muito sincera...
Eu ri e descontraí e alí começou um longo e gostoso papo com a minha querida menina e amiga virtual Regina Estela Rosa...
Eu jamais poderia supor que ela fosse essa pessoa doce e gentil, pois escrever gentilezas, pode até ser fácil (embora eu não acredite nisso). Mas ouvir aquela voz forte, como ela disse, voz de fumante, mas era um timbre que demonstrava certeza do que queria... Do que desejava e do que inevitavelmente havia perdido no tempo.
Eu amei ouvir e sentir a voz da menina Regina, e durante nosso papo percebi que tínhamos coisas em comum... Foi uma inusitada ligação, mas que serviu para nos conhecermos um pouco e sentir quão interessante pode ser um acaso desses... Depois desse momento, sei que outros acontecerão e que me será bastante gratificante, pois não é todo dia que o destino nos apresenta um alguém tão especial...

quinta-feira, 25 de junho de 2015

CANSEI DE TUDO...



Não sei exatamente o que acontece comigo
Pois um dia chuvoso como esse me fazia feliz
Hoje porém me parece algo quase perdido
Um encanto desfeito, algo cansativo num aprendiz

Quantas inspirações o som da chuva me trazia
Que maravilhosas descobertas nessa águas a cair
Hoje os sentimentos que me envolvem nessa manhã fria
São incapazes de me fazer chorar e menos ainda de sorrir

Meus dias se arrastam numa lentidão cruel e enervante
E a natureza me parece mesquinha... Sem coração
Ou será que ela chora dessa forma... Abundantemente
Ao ver minha inércia diante do desfazer da minha ilusão?

Não preciso reaver o que perdi, a não ser meu próprio eu
Pois eu queria me arrebentar de dor, ter a alma chorando
Mas que eu me sentisse ser capaz de sofrer... Deus Meu 
Que eu sofresse pelos sentimentos que eu visse brotando

Mas estranhamente não me sinto mais assim... Humana
Tenho no coração um bloco de gelo que não se desfaz
Quantas vezes nos últimos dias me sinto como insana
Pois sinto que tudo eu perdi... Até mesmo a minha paz

Hoje eu me sinto assim... Exatamente assim... Perdida
Nada busco pois não sei o que mesmo eu possa procurar
Tudo em mim se desfez, nada faz sentido na minha vida
Cansei de tudo... Cansei das esperas... Cansei de acreditar

domingo, 14 de junho de 2015

Deus ainda me escuta


Crônica:

Eu não entendo porque as coisas têm que ser assim... Porque certas coisas sempre acontecem comigo.Moro em um residencial com 64 apartamentos, mas tudo que é bichinho de rua só chega à minha porta. Meu esposo já levou mais de duzentos gatos que acolhi, eram todos de rua, bichinhos que foram abandonados, mas graças a Deus ele conseguiu doar quase todos.
A semana passada, estava chovendo, logo no início da manhã... DEbaixo de um aguaceiro me surge um cachorrinho, encharcado, assustado e com certeza faminto. Fiquei em desespero, sem ter noção do que fazer. Mas logo abri uma caixa de leite e pus pra ele, que bebeu até meio rápido, como rápido também foi a forma que ele desapareceu. Saí para o estacionamento tentanto vê-lo mas não consegui, ele havia sumido. Passou-se o dia todo, eu sempre tentando ver se o via, mas nada, fui ainda até a portaria mas ninguém sabia do cachorrinho.
À noite, enquanto eu orava, pedi a Deus que protegesse aquele caozinho e todos os animais que não tinham dono, bem como aqueles que têm dono, mas que falta... Amor.
Não costumo fazer almoço, (não gosto de almoçar) só faço se alguma filha minha for em minha casa, aí me avisam antes.
Mas naquele dia resolvi fazer algo, pensando no cachorrinho, cozinhei carne e arroz, e qual não foi a minha surpresa quando ele apareceu. Rapidamente pus toda a carne e um pouquinho de arroz e ofereci a ele, que comeu tudo, olhou pra mim e se afastou e outra vez sumiu rapidamente. Mas na terceira visita eu descobri, ele estava passando por um buraco no muro do prédio e que dá para um sítio vizinho
Comecei a me preocupar com a segurança dele, e passei a alimentá-lo às escondidas, já que as normas do condomínio não admite. E sempre conseguindo ajudá-lo em meio às dificuldades que foram surgindo.
Ontem, eu estava um pouco assustada, meu esposo ia chegar e ele já disse pra eu parar com essas arrumações... No finalde semana quando ele não está de plantão, chega no sábado por volta das 7:00 h, pois ele vem de outro estado. Levantei às 4:00 h e fui fazer a comida do cachorro, Mais ou menos às 6:00 o cachorrinho chegou, comeu e começou a fazer festa e eu implorei pra que ele se fosse. Ele obedeceu e eu fiquei com o coração partido. Logo em seguida meu esposo chegou e após o café saímos. Quando retornei fiquei pensando no que fazer pra alimentar o cão sem que meu esposo percebesse... Fui pra cozinha e pedi a Deus que me ajudasse. Saí e fui até a varanda e encontro aquele olhar mais doce do mundo. Entrei na sala e falei... O cachorrinho voltou... Ele me olhou e disse: E? sem titubear respondi, ele deve gostar de frango, vou por galeto pra ele. Meu esposo disse: - Estraga o pelo dele. Eu ri e disse uma vez na vida não faz mal. Alimentei o cachorrinho... Metade do galeto, sem pestanejar. Ele comeu e depois ficou fazendo gracinha... Hoje tudo se repetiu, só que eu pedi a Deus que mandasse um filho dEle que quisesse ajudar o cãozinho, Deus me ouviu e ele agora terá um lar...

MEU CORAÇÃO RESPONDE


Toc Toc
-Quem é?
- Eu sou o amor... Posso entrar?
-Não... Não mais...
-Mas por quê?

Certa vez chegaste à mim e eu ingênua abri minhas portas  acreditando que eras o que faltava para eu ser feliz... Mas tu chegaste na forma de um jovem inteligente e bastante amável. Deixei que entrasses e fizesses morada, sem imaginar que o preço que me custaria acreditar em ti fosse tão alto. E eu paguei até  a última moeda, coloquei-te pra fora da minha vida e encerrei as portas durante décadas.
Os anos foram se passando... Amargos, cruéis e sem esperanças, e mais uma vez você voltou a bater em minha porta... Com insistência...Com bem mais sagacidade.
Relutei, as cicatrizes ainda me pareciam profundas e te fizeste ousado e ao mesmo tempo inocente. E em semanas os males guardados em minha alma foram definhando... Foram tomando o rumo do passado, lugar onde sempre deveria ter ficado.
Mas desta vez foi diferente, eu me encantei... Me apaixonei pelo provável... Mas não era amor, eras a mente bendita que Deus usava pra me tirar daquela existência mesquinha... Sem amor... Sem cor... em sentido... o trabalho foi feito com perfeição... Alí morria um sentimento doente... Ali jazia na verdade a minha obsessão.
Coração restaurado... Aquele sentimento nobre, se foi e até hoje não sei que sentimento realmente foi esse. Acredito que senti extrema admiração e o outro lado paixão. Mas este sentimento se foi pra sempre... Uma viagem sem volta... A luz que estava a clarear meus dias se apagava...
Mais uma vez fechei o coração... Fechei para qualquer sentimento que pudesse me machucar.
Uma vez amor, chegaste e com batidas suaves em meu coração, adormeceste a criança que ainda brincava pois eu era quase criança... Te aceitei, e acredito ter sido um grande erro, não o maior, pois este ainda haveria de acontecer.
Poucos anos depois tu voltaste amor... E desta vez mais experiente, mais inteligente, mais ousado. Chegaste aos poucos, e com suavidade me fizeste romper os lacres que eu tão bem usara para me proteger de uma possível investida tua. E como foste audacioso... Com tua experiência me transformaste, tornei-me carente, de alma atrevida e ao mesmo tempo ingênua...
Eu, pobre coração já tão marcado e machucado pela vida se rendeu ao teu fascínio e tu amor, foste um louco... Um insano que mais uma vez acorrentou-me ao sofrimento e ao desgosto... Foste na verdade apenas uma ilusão, e as ilusões sempre são insinceras...
Muitas semanas de dor, sofrimento e orgulho ferido... Mas consegui trancar a minha porta e desta vez para sempre, não tentes me iludir, perdes teu tempo... Tempo é tudo o que eu não tenho... Nem preciso...

quinta-feira, 11 de junho de 2015

UM DIA DIFERENTE


Crônica:
Hoje pela manhã, estou em meu apartamento, quando minha menina chega e me chama pra ir até o shopping, amanhã dia dos namorados, fomos comprar as lembranças dos nossos esposos.
Andamos um pouco e entramos numa loja que estava em liquidação e claro não era o que procurávamos, mas paramos assim mesmo... Ela olha pra mim e diz vamos gastar um pouco? Entramos, compramos alguma coisas e depois saímos em busca dos nossos presentes... Um pouco mais de tempo e descobrimos ser hora do almoço, fomos fazer essa detestável obrigação (não gosto de almoçar).
Em seguida fomos até o banco, resolvemos o que faltava e de repente ela diz que o esposo pediu que ela fosse olhar alguns apartamentos, pois pretendem se mudar... É aí que começa a nossa aventura...
Depois de rodarmos de carro por algumas avenidas, eis que acontece um fato surpreendente... De repente o carro para, ela tenta ligar o carro e nada, depois de algum tempo, um moço se aproxima e empurra o carro, ao menos tiramos do meio da avenida. Ela liga pro esposo e informa o acontecido, ele pergunta onde estamos, ela não sabe informar, mas dia que dá pra ver ônibus passando na . avenida principal. Ele diz pra pegar um táxi e ir pro escritório. Onde estávamos não passava táxi. Fechamos o carro e fomos em direção à avenida. Depois de andarmos um pouco, decidimos voltar pro carro pois estávamos achando muito longe,. Assim que chegamos começou a chover e muito forte. Não dava pra ligar o ar condicionado, decidimos sair e caminhar, tentando encurtar caminho. Tínhamos apenas uma sombrinha, ela pede pra eu ir com Juan, o bebê dela eu digo que não (eu amo andar na chuva) ela saiu com o filhinho, no final nos perdemos, a chuva engrossou muito, o esposo dela mandou um carro nos procurar e ligou avisando (8 vezes) só que com o barulho da chuva não ouvimos. Ele se desesperou, por fim encontraram o carro, mas nós não estávamos...
Terminamos chegando ao escritório de carona, logo em seguida chega meu genro e mais dois homens, todos a nossa procura... Ao chegarmos ao escritório fui até uma loja comprar roupa, pois eu estava encharcada e não dava pra voltar pra casa daquele jeito. tivemos que voltar de táxi e o carro um mecânico levou pra oficina. A chuva passou e no resumo de tudo... Esquecemos dos presentes que saímos para comprar, agora? Só amanhã...
PS: Uma foto depois da chuva pra ficar na lembrança

domingo, 7 de junho de 2015

"A INGRATIDÃO MATA A AFEIÇÃO"



Meu Deus como é que eu pude custar tanto a entender
Que eu não passava de um brinquedo em suas mãos
Eu, sinceramente jamais poderia um dia pensar que você
Não dava a mínima para o amor que eu trazia no coração

Simplesmente me enganei inúmeras vezes ao acreditar
Que eu era tudo aquilo que não cansavas de me dizer
Como eu poderia em qualquer outra coisa pensar
Que não fosse o grande amor que me juravas ter?

Confesso que fui tola... Pois agi como uma adolescente
Mas todas as lágrimas derramadas ao perceber o engano
E as noites insones ao descobrir como eras inconsequente
Também me fez ver que tinhas na verdade um coração tirano

E o tempo passou... E com ele enterrei toda a minha aflição
Tuas doces e belas frases de amor deixei-as soltas ao vento
E um dia ao lembrar um certo ditado."A ingratidão mata a afeição"
Percebi sem muita tristeza que já não ocupavas meus pensamentos

Decidi ... Nunca mais me deixarei enganar por ninguém desse jeito
Jamais voltarei a acreditar em promessas... Tudo isso já me bastou
Que seja indiferente seu nome e esse leviano amor ao meu peito
Quero esquecer de uma vez por todas que um dia você me enganou

Não lhe quero mal... Como eu nunca quis, e hoje tranquila confesso
Mas as dores, tristezas e decepções que me impusesses se perdeu
Levados pelos prantos que por algum tempo os derramei em excesso
Mas eu acredito que esse falso e leviano amor na ingratidão feneceu







quinta-feira, 28 de maio de 2015

Não dá pra disfarçar


Crônica:
Hoje, uma senhora se aproximou de mim e perguntou se podia sentar (havia uma cadeira vazia ao meu lado) disse-lhe que podia ficar à vontade. (Estávamos num consultório médico). Ela olhou-me e deu-me um sorriso carinhoso e disse: - Posso falar um pouco? novamente sorri e assenti com a cabeça. Nisso o esposo dela que estava próximo balançou a cabeça num gesto de aprovação. Nem assim despertou-me a curiosidade. Continuei com o olhar distante, nisso ela tocou meu braço e falou:
- Meu esposo chamou a minha atenção pra você.
Olhei para ela, mas nada perguntei. Desviei o olhar e ela falou:
Você tem uns olhos lindos, foi isso o que meu esposo me falou, mas logo em seguida ele disse: -Por que será Vitória que ele tem um olhar tão triste... Tão perdido?
Mais uma vez sorri e dessa vez falei; - Não sei minha filha, eu bem que gostaria de saber porque sou tão triste, tão infeliz...
Ela pediu-me licença, pegou a minha mão e alisando-a carinhosamente perguntou: - Você é sozinha?
- Não... E sim... Respondi
Ela disse: - Não entendi...
Falei: Tenho família... Mas me sinto só... Completamente só.
Ela pergunta: -Família mesmo?
Sim... Respondo e continuo: - Esposo, filhas, genros, netos, mãe, irmãs, cunhadas, sobrinhos, tios, primos...
E por que se sente tão só?
Não sei... Realmente não sei...
Ela riu e disse: - Você tem um ar muito misterioso...
Já ouvi isso algumas vezes... Mas confesso que até hoje em nada me ajudou.
Ela fez um ar de riso, nisso ela foi chamada para entrar no consultório e eu continuei com o pensamento longe.
Ao sair, ela chegou perto de mim e perguntou-me se podia me dar um abraço. Acenei com a cabeça que sim e me levantei. Ela me deu um abraço bem apertado, o esposo dela se aproximou e pedindo licença fez o mesmo, de modo bastante forte, bem forte e disse. Você nos lembra uma filha nossa,que se estivesse viva teria mais ou menos a sua idade... Mas ela nos deixou, e ela era exatamente como você... Tinha tudo mas não era feliz.
Se despediram e se foram. Acomodei-me e fiquei a pensar naquele casal.
Logo em seguida fui chamada e dirigi-me a sala do meu médico. Ao abrir a porta dei-lhe um bom dia ele sorriu-me e disse: Foi de você que um casal de idosos falou-me ao sair daqui ainda há pouco. O homem encantado dizia, ela tem os olhos mais lindos que já vi e a esposa retrucava, mas é o olhar mais triste que eu já vi...
Sorrindo, ele se levantou me deu um abraço e disse-me, eu tinha certeza que era
de você que eles falavam...
Eu ri e respondi: -Não dá pra disfarçar, ao menos eu ainda não aprendi...
Meu médico me olhou nos olhos e falou... Você pode fingir à vontade, mas a sua
alma é genuína... Não consegue sequer disfarçar... Que dirá mentir... Falo isso porque a conheço há quase vinte anos...

AMIGO VIRTUAL... BEM REAL


Ao menino Pedro Potiguara
Escutar você menino Pedro Potiguara me fez bem
Ao menos senti que a indiferença não me afeta de tudo
Na realidade meu pensamento já não consegue ir mais além
Tudo à minha volta desbotou, perdeu a cor e ficou mudo
Mas por alguns instantes, escutá-lo pareceu-me inquietante
Meu sorriso se fez... Gábata sorriu pra si mesma e sentiu
Uma leve pontada de esperança retornando...Lenta e desafiante
É bem melhor ser triste do que indiferente como quem já partiu
Há dias que venho me sentindo assim, mais só do que o habitual
Não triste nem infeliz... Pior... Indiferente... Perdida, deslocada
E ouvir você menino, por instantes me fez sentir quase normal
Sem saber me desses um pouco de força, me senti encorajada
Voltei a ouvir o poema solidão que gravasses e ficou um encanto
Fechei os olhos e deixei-me levar pelos caminhos de volta...
De repente despertei e senti meu amigo que em mim havia pranto
Minha alma já não abrigava apenas indiferença ou mesmo revolta
Obrigada pela atenção e carinho meu menino querido e tão amigo
Pelas estradas da vida caminhamos sem saber o que nos espera
Mas tenha a certeza quem em boa e tranquila hora eu digo
Que um amigo virtual pode ser mais real que muitas quimeras

PELAS ESTRADAS DA VIDA


O que fazer quando já não se sente nada?
Há momentos que nem tristeza consigo sentir
Minha vista já nada alcança... Está embaçada
Uma inércia até pra escrever, melhor não insistir
Me sinto perdida... É exatamente isso... Perdida
Não encontrando razões pra nada, nem pro que adoro
Escrever, por um bom tempo foi o tudo da minha vida
Estranhamente hoje, abdicar da escrita já não deploro
Essa calma, que na verdade é apenas indiferença
Tem me arrastado a um mundo desconhecido
E já ponho em dúvida até mesmo minhas crenças
Embora eu ainda sinta que nem tudo está perdido
Chorar já não consigo, uma espécie de revolta me afeta
Lembrar o tudo que passou já não faz nenhuma diferença
A escrita sempre me motivou, mas hoje ela já não me desperta
Estou a sucumbir num mundo envolto numa fria indiferença
Me assusto ante uma realidade que não busquei com certeza
A frieza que povoa minha mente é assustadora e também cruel
Pelas estradas da vida fui perdendo o encanto, e até a tristeza
Silencia junto com o pranto... Só me resta o amargo sabor do fel...

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Com O Passar Dos Anos



Eu já tive pressa e nem do lugar saí
Já fui jovem e também nada ganhei
Hoje percebo que apenas envelheci
Durante todo o tempo que eu parei

Parei de sonhar... Aí eu despertei
Quis retroceder e descobri ser tarde
Durante uma linda fase  apenas amei
Foi então que descobri que fui covarde

Não lutei pelo que julguei ser amor
Acomodei-me mais uma vez sem querer
Do mais lindo sentimento que conheci, só dor,
Foi o que restou desse grande amor por você

As lembranças as vezes me chegam calmas
E por alguns instantes sinto a dor dissipar
As mais ternas lembranças guardo na alma
De onde nada nem ninguém conseguirá arrancar

Eu sei que já tive muita pressa na minha vida
Da minha juventude poucas coisas boas a lembrar
Com o passar dos anos fui me tornando ressentida
Por tudo quanto  o destino me permitiu passar

Mas um dia tudo à minha volta, eu vi mudar
As cores se fizeram mais fortes... Mais belas
Descobri com certo receio o sentido de amar
E conheci da vida o que de melhor havia nela

E eu me descobri com tempo... Eu tinha todo tempo
Mas este tempo aos poucos perdeu seu encanto
O que havia de mais terno e belo se foi com o vento
E senti pela primeira vez o verdadeiro sabor do pranto

Mas tudo na vida passa, embora minha dor não passou
Esta eu guardei-a no mais recôndito do meu ser
Um dia quem sabe eu ainda consiga desdenhar do amor
E terei então a certeza que nunca mais voltarei a sofrer

segunda-feira, 11 de maio de 2015

UM TOQUE MÁGICO


Você compreende o que é olhar para trás e rir pra dor?
Não rir dela... Mas sorrir pra ela como se fosse um encanto
Pois foi nela que por fim aprendi a perder um grande amor
E foi com ela que consegui superar e abafar meus prantos
Minha alma dantes sofrida, inquieta sem quase nada entender
Hoje se acomoda sem reclamar das intempéries da vida
Mas eu tenho consciência que fosses o melhor onde pude viver
Meus melhores momentos de forma calma ou mesmo atrevida
Já não olho pra trás buscando o que por mim foi tão amado
Pois nada na vida é de todo bom ou ruim...nos serve de exemplo
E já não espero aplacar qualquer sentimento que tenha ficado
Pois tenho guardado na alma lembranças desses ricos momentos
Que repouse em meu coração os sonhos mais belos e desfeitos
Que tempo algum consiga ofuscar ou deixá-los no esquecimento
O que me ensinaste gravei na memória e guardo dentro do peito
O melhor lugar para abrigar todas as lembranças desses momentos
Sonhar por esse amor já não o faço, afinal tudo foi pura ilusão...
E toda ilusão um dia acaba mesmo que não se aceite ou queira
Mas entendi que não se chora por todo bem guardado no coração
Então que viva em mim as lembranças sérias e outras zombeteiras
Que eu não me sinta feliz... Mas que traga no sorriso e no olhar, paz
Que eu perceba o brilho da vida e um toque mágico a cada novo despertar
Que eu aprenda a transmitir o melhor que em mim exista e eu seja capaz
Afinal não é todo mundo que possa dizer amei ou fui amada... Sem chorar

NEM MESMO A MORTE



Ainda há pouco parei ante um espelho e vi
Uma lágrima cair mansamente pelo meu rosto
Meu semblante não tinha dor ou medo, eu senti
Era apenas um tímido gesto de fim dos desgostos

Minha alma repousa absolutamente quieta
Uma paz acanhada se aproxima meio receosa
Meu coração teimoso ao meu olhar empresta
Uma alegria jovial... Mais pareço uma criança teimosa
Mas não me animo... O medo do desgosto ressurge
Já que nunca consigo desse infeliz sentimento me livrar
E uma imensa vontade de sentir-me amada e feliz urge
É o forte desejo de voltar a sorrir com a alma a imperar
Eu hoje comecei a me sentir assim... Viva e forte
Que predomine o anseio de horas sem tédio ou dor
Talvez por isso eu nada receio... E nem mesmo a morte
Será capaz de assustar-me ou mesmo por fim a este amor

terça-feira, 5 de maio de 2015

Hoje, mais uma vez...


Por algum tempo eu fiquei esquecida
De alguns sentimentos tão corriqueiros
Como um bom dia ou um até logo querida
Meus sentimentos os mantive prisioneiros
Até que em certa ocasião escutei algo assim:
"Tanta beleza esconde grandes sentimentos...
Falo desse olhar de beleza e mistérios sem fim
E mais... Não se deve fugir dos acontecimentos".
Olhei de soslaio aquele homem e o achei impertinente
Mal sabia eu que este seria o primeiro de outros encontros
Que o destino sem a menor cerimônia nos poria frente a frente
E ele ainda traria consigo mais dúvidas sobre desencontros
O tempo foi passando e a cada vez que casualmente nos víamos
Eu queria me aborrecer com aquele homem que tudo parecia saber
E um dia sem muitos preâmbulos perguntei-lhe se nos conhecíamos
E para minha surpresa respondeu-me: Menina, eu quase a vi crescer
Depois dessa vez, mas nunca nos encontramos, mas fiquei a pensar
Quem seria quele homem e que mistério havia nele, até hoje não sei
Muitas perguntas sem respostar ficaram na minha cabeça a martelar
Mas remexendo na minha memória, uma frase dele eu relembrei...
E hoje mais uma vez estive a rever muitos dos meus conceitos
O que inevitavelmente me fez desse homem outra vez lembrar
Como ele me disse... "Nada na vida pode ser sempre perfeito
E será no erro que descobrirás a mais bela forma de amar"

segunda-feira, 4 de maio de 2015

RETENHO NA MEMÓRIA



Uma estranha sensação está a me invadir
Saudades de algo que o tempo ladrão roubou
De emoções que eu gostaria outra vez de sentir
Sentimentos que um dia na inocência chamei de amor

Saudades daquele toque que tanto esperei e não chegou
Lembranças daqueles afagos que também viveste
E que durante algum tempo jurávamos ser apenas amor
Mas um dia aconteceu, não sei se te perdi ou tu me perdeste

Mas os grandes e nobres sentimentos que me mostraste
Em mim se agregou como algo profundo, puro e belo
Bem sei que em mim descobriste coisas que guardaste
Nossa amizade cresceu, embora ruiu dos sonhos nosso castelo

Da vida o melhor que tive veio de ti e ainda retenho na memória
Cada palavra, cada gesto e até mesmo tua voz a tenho de cor
Foste o quinhão mais nobre que o destino pôs na minha história
Foste o que posso afirmar que a vida um dia me trouxe de melhor


SERÁ APENAS POR HOJE?


HOJE ESPANTOSAMENTE ESTOU ME SENTINDO DIFERENTE... ME SINTO MAIS JOVEM,
ACHO QUE COMO UMA ADOLESCENTE...
ESTOU ME SENTINDO INFINITAMENTE BELA... INFINITAMENTE MULHER
NÃO ME SINTO TRISTE... NÃO ME SINTO CARENTE
ESTOU ME SENTINDO COMO TODO SER HUMANO DESEJA E QUER...

ACHO QUE ESTOU É ME SENTINDO COMO SEMPRE DESEJEI... FELIZ
TALVEZ POR ISSO TENHO ESTRANHADO ESSES PENSAMENTOS EM DESALINHO
ESSA MINHA SEDE DE DAR E RECEBER PALAVRAS DIFERENTES
ALGO TALVEZ UM POUCO PROFUNDO... O QUE SEMPRE QUIS
PALAVRAS QUE SE TRANSFORMEM EM CARINHO

ALGO QUE NÃO ME DEIXE ESQUECER QUEM SOU...ENTREMENTES
APENAS DESEJO PARA MEU HOJE... NÃO ESQUECER QUE SOU 

APENAS UMA MULHER
MULHER CRIANÇA... CRIANÇA MULHER... UMA PEQUENA MENINA 

DE UM ENCANTO QUALQUER

ETERNA MENINA


Eu hoje estou me sentindo assim... diferente...
Tão diferente que receio não conseguir explicar
Pois trago a alma muito leve... Super contente
Foi pela mensagem que você resolveu me mandar
Palavras de afeto sincero, sem promessas ou algo assim
Mas que chegaram à minha alma, que ainda estava desprotegida
Encontrando guarida e refletindo a beleza dos sentimentos em mim
Pois não há nada mais perfeito e gostoso do que se sentir querida
Hoje, eu estou me sentindo assim... Uma criança alegre...Levada...
Uma alegria imensa que eu desejo jamais venha a ter fim
Hoje eu me sinto assim... Uma mulher criança, talvez até amada
E com uma imensa vontade que meus dias continuem apenas assim
Então eu vejo o quanto uma frase ou mesmo uma palavra
Tem o dom de transformar o dia de uma pessoa,tornando-o especial
Principalmente quando se tem a alma triste... Mas conservo a lavra
Na eterna esperança de um desfecho melhor e por certo triunfal
Hoje eu estou me sentindo assim... Leve como uma pena
E linda como o romper da aurora que tando me fascina
Hoje estou decidida assim... Deixar minhas horas amenas
E deixar vir à tonas os sonhos da mulher... Eterna menina

quinta-feira, 23 de abril de 2015

NÃO TE CULPO


Se eu pudesse voltar no tempo 
O que será que em mim eu mudaria?
Pra começar não me exporia ao vento
Que em tempestade minha vida faria

Pensaria um pouco mais ao receber
Visitas ilustres e tão cheias de amor
E por nenhum momento deixaria você
Me falar palavras que só me traria dor

Na verdade não te culpo, nem deveria
Se fostes falso, quem me mandou acreditar?
As vezes sinto como chicotadas tuas alegrias
Pois o tempo todo estavas comigo a brincar

Mas já falei... Nem por um instante te condeno
Afinal, só eu tenho culpa do que aconteceu
Nada percebi,  teu falar tinha um som ameno
E aos poucos vi morrer o que julguei ser teu eu

Hoje, longe ou perto... Ausente ou presente
Serás uma parte de mim que o tempo revolveu 
E mesmo assim nada me ficou indiferente
Muito embora eu acredite que tudo já morreu

MESMO ASSIM


As vezes eu acho que estou sorrindo
Que a felicidade a mim se achegou
Mas logo descubro ser tudo fingimento 
E que nada na minha existência mudou

Outras vezes percebo uma réstia faceira
Perpassando lentamente ante meu olhar
Isso acontece nas lembranças quase brejeiras
Quando eu nada sabia e em tudo podia acreditar

Mas os anos se passaram e eu pude entender
Que quando criança encontrei muitas alegrias
Mas foi aos poucos que eu consegui compreender
Que a vida me reservava mais motivos para agonias

Mas mesmo assim... Aos trancos e barrancos... Vivo
E nem sempre tenho conseguido da vida tirar lições
Mas o sorriso que um dia brotou na minha alma, insisto
Foi com certeza a maior e mais pura de todas emoções

Talvez  por isto eu tanto tenha me machucado
Acreditei demais... Confiei demais... Me perdi
Tudo na vida tem um preço... E o que me foi cobrado
Foi alto demais... Pois ao final, só dor eu senti...

Mas não devo queixar-me do que me causou tanto mal
Pois com certeza algum bem também pude receber
Aprendi que não devemos expor sentimentos... Afinal
Ninguém jamais irá se apresenta  sem nada esconder

Mas certas coisas é bom que a mim aconteça
Pra que eu tente de algum modo por fim aprender
Que nada na minha vida é perfeito, e nem há peleja
Que faça certas coisas da minha mente desaparecer





ATÉ PENSO


Quantas vezes pensei em mudar meu jeito
Abrir os braços para o mundo sem receios
Mas essa tristeza que mora em meu peito
Descarta qualquer possibilidade desse anseio

Ao longe vislumbro o que já foi um sonho
No tempo converteu-se em dor e sofrimento
Mas eu sinto que esse pesadelo medonho
Aos poucos foi deixando de ser meu tormento

Alegria sincera pra mim é cada vez mais ausente
Se fujo... Percebo ser em vão, pois me sinto presa
Mas não me queixo, pois da vida tive belo presente
Quando por algum tempo ganhei do amor toda a beleza

Mas felicidade não nasceu para mim, aliás não nasci pra ela
Durante toda a minha vida isso claramente pude comprovar
Não importando o tempo... Pois mesmo quando fui jovem e bela
Todas as vezes... Vi a tal da felicidade por entre meus dedos escapar

Por isso não me critiquem se minhas escritas fogem ao bom senso
Pois não é de alegrias que a minha alma vive a transbordar...
Meus momentos felizes sempre foram tão efêmeros que até penso
Que nunca existiram... Pois do contrário minha alma não vivia a chorar




terça-feira, 14 de abril de 2015

A DOR DA SAUDADE


Nunca mais terei por companhia teu riso
Nem tua voz sedutora pra me encantar
A dor da saudade aos poucos eu mitigo
E penso, teu sonho um dia foi me amar
E agora, o que faço com essas lembranças
Que me torturam e me parece nunca terá fim?
Tudo se perdeu... Se foram minhas esperanças
De viver esse amor louco que destinavas a mim
Eu bem sei que não mais terei como sentir-me feliz
Se pelas veredas dos encantos você um dia me deixou
Nossos sonhos era o que na minha vida eu mais quis
Mas até hoje não entendi o que foi feito do seu amor
Me diz agora o que faço com esses nossos sonhos
Que sempre me falavas em realizá-los a dois?
Mas hoje nesses versos tristes que componho
Só penso no tudo que um dia deixamos pra depois
Nunca mais aguardarei ansiosa por tua ligação
Não mais teremos estas horas de pura embriaguez
Tudo se desfez ao me arrancares do teu coração
Matando o que hoje me parece ter sido insensatez

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Desejar de tudo o fim



Essas lágrimas quentes a escorrer pelo meu rosto
Em nada vão me ajudar disso eu tenho certeza
Mas não consigo retê-las... São muitos desgostos
Que tira de qualquer um o menor gesto de grandeza
Por que tudo isso a me acontecer, eu não entendo
As vezes chego até a questionar do meu Deus
Mas por que tanto sofrimento em mim, até repreendo
Até parece que não tenho forças e minha voz á morreu
Nunca pedi demais à vida e menos ainda a Deus
Nunca fui santa nem tão pouco ruim ou desumana
Mas eu nunca fui feliz e nunca tive nada de meu
E hoje agonizo como a pior das criaturas humana
Ninguém nunca irá me entender, quem pode não o faz
Sempre fugi da vida e de suas desmesuradas armadilhas
Mas hoje pude perceber que não sou e nunca fui capaz
de querer da vida bem mais que essas tristes migalhas
..........................................................................................
Eu hoje estou triste... Bem mais desgostosa que o habitual
Que Deus se apiede de mim e veja como me tem sido difícil
Fingir... Ao sorrir cada riso faceiro ou mesmo que seja casual
Já não dá... Pois a cada dia que passa está muito mais difícil
Possa ser que eu talvez seja fraca e não estou a merecer
O melhor que Deus um dia tenha reservado para mim
E tudo o que tem me acontecido inevitavelmente lembra você
E a única cousa que ainda me resta é desejar de tudo o fim...

NOSSO AMOR NÃO MORREU


Refletindo sobre o tudo que já passei
Vejo nas entrelinhas da minha vida
Que nada foi maior e melhor, eu sei
Do que por você fazer-me atrevida
Posso viver um século ou um minuto
Nada de importante irá me acontecer
Pois sei que foste pra mim aquele fruto
Que as circunstâncias não permitiu colher
Que direi agora a minha parca existência
Que não mais teremos razão para sonhar
Pois a vida não teve para comigo clemência
E do tudo, hoje nada mais tenho a esperar
Os meus dias mesmo que eu não queira
Terão sempre um gosto amargo de fel
Meus sentimentos me fizeram prisioneira
Da maior ilusão que pra mim era puro mel
Não tens culpa... Jamais haverei de condená-lo
Fosses meu consolo nos dias de intensa tristeza
Aos poucos eu vi como havia sido fácil amá-lo
E foi assim que eu descobri da vida a maior certeza
Hoje, distante ou perto já nada mais faz sentido
Te perdi quando eu pensei que eras só meu
Apesar de tudo ainda conservo o meu grande amigo
E uma grande certeza... Esse nosso amor não morreu

terça-feira, 7 de abril de 2015

À UMA GRANDE MULHER


Rhosy Ternurinha
A vida nem sempre consegue ser risonha
Mesmo quando você para isso se esforça
Porém nunca transforme de forma medonha
O que conseguirás, se sem receios te esforça
Teus dias menina poderão ser belos e contagiantes
Nunca deixe que a vida desdenhe do seu ideal
Pois com garra conseguirás vencer e verás adiante
Um mundo novo tão belo como uma aurora boreal
Nunca perca tempo olhando o que já ficou pra trás
Dai chance a um novo horizonte que se descortina
Esqueça a mulher sofrida, essas lembranças só desfaz
O que tens de melhor e mais bonito Oh! Linda menina
Abrace forte e com destemor o que a vida sugere
Chorar pelo que foi, nunca deverá ser uma opção
Ser feliz ainda é tempo, pois nada em ti interfere
No mais ousado projeto que deverá suster teu coração
Que se faça breve o que um dia tanto te machucou
Os amigos deverão te dar força e ser o grande elo
Entre essa mulher que não percebes, mas já morreu
Pois a vida te espera com o que tem de mais belo...

Á UM AMIGO VIRTUAL


                         PEDRO POTIGUARA

Eis que um sorridente amigo me confidencia
De modo desinteressado o seu modo de ser
E eu imagino o quanto será bom o seu dia a dia
E também o quanto é prazeroso com ele conviver

Estou a falar do  Pedro Potiguara esse querido menino
Que vez por outra me faz uma gentil e alegre surpresa
Ele é desses profissionais consciente e também destemido
Que ama a profissão pois da sua alma vem pra tudo a certeza

Tem sido ótimo e gratificante  esse nosso convívio virtual
Com ele tenho aprendido a olhar em outra direção
Falo do profissional que tenho certeza do retorno ser triunfal
Pois ele faz seu trabalho com amor e também emoção

Que seus dias menino sejam sempre alegres e de vitórias
Que ao longo da sua caminhada os amigos se façam presentes
Que sua passagem pelo mundo do rádio fique na memória
De todo aquele que contigo conviveu e não apenas profissionalmente

E tenho por certo que entre amigos e familiares não deve ser diferente
Seu jeito brincalhão, espontâneo e sempre tão atencioso e presença
Eleva de modo radiante suas conquistas nada efêmeras ou indiferentes
Sem contar na sua vida espiritual, que sabe respeitar e honrar sua crença


NADA É IGUAL


Olhando o horizonte vejo o entardecer
Que se recolhe com todo seu encanto
Dando lugar a mais um belo anoitecer
As estrelas,e o luar prateando o campo
Ao longe o piscar salteado dos pirilampos
Que se mistura ao som inconfundível dos grilos
E lembro quando criança das férias no campo
E a escuridão da noite rasgava o ar tranquilo
As estradas de terra vermelha a tudo empoeirava
Os gritos dos camponeses soava ensurdecedor
Eu quase sempre sem nada entender tudo perguntava
E o movimento dos trabalhadores se confundia na cor
Havia tanto para se admirar e pouco a se entender
Meus olhos de criança esperta ía a tudo perscrutar
Muitas férias alí passei e nunca cheguei a entender
Naqueles rostos queimados de sol os olhos a brilhar
Hoje eu sei... Era apenas alegria pela certeza do pão
Trabalhavam bastante mas nunca foram explorados
Havia respeito desde o trabalhador braçal ao patrão
E era me lembro bem, um salário justo e bem pago
Hoje a tecnologia o campo invadiu bem se vê
Já não se faz trabalhador como antigamente
Já não há gritos e poucas ferramentas a recolher
Tudo perdeu o encanto, nada é igual a antigamente

sexta-feira, 3 de abril de 2015

CONTINUO Á PASSOS CURTOS


O tudo que na minha vida um dia foi chegado
Com certeza que por mim nunca foi o que busquei
Também nem sei se foi trazido por Deus ou pelo diabo
O muito que eu sei é sempre foi alto o preço que paguei



Cada paraíso a mim oferecido tinha por morador a serpente
Que se transformou em anjo quando isto então lhe convinha
Não acredito que eu tenha sido alguma vez totalmente inocente
Talvez o meu erro maior foi acreditar no ser humano... Falha minha

A ninguém posso culpar pelas minhas nefastas e trôpegas passadas
Ou mesmo por cada momento esperado e que a mim nunca veio
Afinal eu tinha consciência desde adolescente, pois assim fui alertada
Que eu não tentasse ser feliz, alegrias efêmeras, talvez nesse entremeio

Hoje, o que sinto é a minha vida se resumir a um triste declinar de dia
As cores vão esmaecendo... Num enervante, cruel e lento desbotar
À noite que vai surgindo, apenas ofereço as minhas falsas alegrias
Pois assim tem sido as minhas passadas nesse meu triste caminhar

A lentidão com que sorvo esse cálice tão amargo que me é ofertado
Apenas traduz para mim o que tanto demorei para enfim compreender
E cada flor que a mim um dia foi dada, não havia perfume a ser exalado
Inevitavelmente havia uma seiva amarga que escorria de cada você

Que importa se algo de bom um dia eu pude finalmente ter dado
Afinal para alguma coisa deve servir aqui na terra nossa jornada
Se meu mundo está triste, se está feio ou mesmo desbotado
O erro maior foi eu querer dar-lhe uma nova e bonita pincelada

Mas continuo aqui... À passos curtos enquanto me for permitido
Ausências muitas ainda se farão... E disso eu tenho plena certeza
Mais continuará sem que nenhuma delas eu tenha assim preferido
Mas caberá a mim não me deixar enganar por falsas belezas...

Mas cá na terra, cada um de nós temos uma missão a cumprir
E eu acredito piamente que a minha um dia ainda se fará
De alguma forma terna e num preciso modo que eu possa sentir
Que por alguma razão a mim tenha valido à pena esse meu caminhar

sábado, 28 de março de 2015

À MINHA AMIGA ESQUECIDA


As vezes somos levadas a nos sentirmos verdadeiras princesas, mas com o passar do tempo vamos descobrindo que não passamos na verdade de meros fantoches enlevadas por falsas palavras... Falsos sentimentos, que não passamos de brincadeiras de pessoas levianas e cruéis. Que agem como se fossem donas da verdade, cheios de empáfias e soberbamente miseráveis, Esta foi a conclusão que cheguei após o relato de uma amiga (irei chamá-la de ESQUECIDA)

Vivia feliz com seus amigos a ESQUECIDA
Até que surgiu em sua vida alguém especial
Aos poucos a afastou dos amigos e daquela vida
Onde ela era feliz de forma simples... Bem natural

Seu mundo se resumia naquele estrangeiro
Que aos poucos começou a sufocá-la
Já não era mais tão amigo e companheiro
E já não sobrava-lhe tempo para agradá-la
Mas ela continuava apesar de tudo iludida
E sentia que seu mundo ainda era esse amor
Mas aos poucos foi percebendo estar perdida
Completamente enganada... Surgiu o desamor
E um dia para finalmente seus olhos ela abrir
Descobriu um pouco por mero acaso
Que ele sem nenhuma razão estava a mentir
Isso para ela foi realmente um descaso
Ficou pensativa sem certeza do que fazer
Se falava da descoberta ou calada permanecia
Decidiu dar mais algum tempo para ver
Se de algum modo aquela história resistiria
Mas certo dia ela percebeu não haver solução
Para a situação que ela pra si um dia criou
Então decidiu por em ordem o seu coração
E mesmo sofrendo pôs fim aquele conto de amor
A marca de amadurecimento na alma ficou
A sua vida anterior aos poucos irá retomar
Pagou alto o preço dessa história, um falso amor
Mas serviu para entender que pouco se deve confiar
Essa foi o relato de uma amiga muito querida
Que já há muitos anos desfruto da sua amizade
Mentiras E enganos,sempre abominou ESQUECIDA
Em sua simplicidade nunca ligou para vaidade
Talvez por isso tenha chamado daquele moço a atenção
Mas ele devia ter sentido que com ela não devia brincar
Iludiu-a em nome de um falso amor, de uma pura ilusão
Mas na vida nem de tudo pode-se realmente se furtar
Ainda bem que teve fim... E tão rápido como começou
Um dia ele talvez perceba o grande erro que cometeu
Ofereceu um mundo de sonhos, e também de falso amor
E mesmo tão sofrida,  essa história ela adormeceu...