domingo, 30 de novembro de 2008

Triste Lamento


Na repousante sombra de um cajueiro
Quando a tarde lentamente vai morrendo
Ouço ao longe o aboio de alguns vaqueiros
Que aos poucos todo o gado vai recolhendo

E vou me despedindo dos verdes pastos
Com meu coração palpitando em surdina
E pensativo fico olhando para os lados
Ao som embriagador e triste das campinas

E contemplo na penumbra a noite fria
Banhando com o luar toda essa paisagem
E sempre com grande e triste melancolia
Começo a ver tudo como uma pacata miragem

E medito da vida cada um dos meus passos
E sempre nas efemeridades dos meus sonhos
Trago no coração cada nó dos grandes laços
Que deixaram meus pensamentos tristonhos

E tudo faz parecer que é um triste lamento
Até sinto nostalgia no mugir dessa boiada
Que chega até mim sendo trazido pelo vento
Que aos poucos vai transformando num nada

E nessas noites por vezes tristes e calmas
A saudade sempre me chega bem de mansinho
Sinto a melancolia sufocando a minha alma
Nesses crepúsculos que me sinto tão sozinho

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Contagem Regressiva



Para nós a contagem regressiva já começou
Faltam poucos dias para tudo terminar
Mas com certeza nem para todos acabou
Pois para muitos outra etapa vai começar

Da minha parte faço questão de dizer
Que aqui no SESI eu mesma muito aprendi
Encontrei pessoas que me ajudaram a crescer
E através dessas pessoas muitas coisas vivi

Em meu coração reservei com carinho um canto
Para essas pessoas que eu nunca vou esquecer
Como Noemia de quem muito gosto,mas entretanto
Nos deixou, foi promovida, assim posso dizer

O querido prof.Adriano, de quem sinto saudades
Também a Graça prof. de literatura e português
Mulher inteligente e sábia como ela é raridade
E cito também o Rogério excelente prof.de Inglês

Homem guerreiro e também um bravo lutador
Faz o que pode pelo bem dos seus alunos
Com ele também estudei e foi com louvor
Que fui aprovada,estudei bem os assuntos

Também não posso, nem por sonho, deixar de falar
Em química com o querido e experiente prof.Elias
Uma outra matéria que não tem jeito para eu gostar
Mas com um prof. desses aprender eu bem que devia

Euzelinda,essa professora vale mesmo muito ouro
Ela também é uma mulher de inúmeras qualidades
Geografia para ela é como se fosse um tesouro
Realmente o SESI está é mesmo repleto de raridades

Falo ainda do querido professor Alexandre
Que história tem ensinado até muito bem
As vezes nos sentimos até muito importantes
Diante das coisas que para nós ele tem

A professora Andréa nos ensina é biologia
Outra mulher inteligente e muito capaz
Suas aulas são sempre cheias de alegrias
Ela ensina com perfeição,pois ama o que faz

Ainda tem o Diomedes, um outro querido professor
Ensina física e diga-se de passagem até muito bem
Mas isso prá mim já não é matéria é um terror
Essa foi mais uma que eu achei muito ruim também

Ah! e é claro não posso me esquecer da Julie
Essa professora é o máximo de inteligencia também
Muitas vezes na sala pairava uma certa quietude
É que com ela, história e geografia sempre ía bem

E ainda temos o nosso glorioso professor Ramos
Com ele a tal da matemática também fui estudar
Além de excelente prof, ele me explicou tanto
Que sem querer dessa matéria acabei por gostar

Lembro ainda a Márcia que me é muito querida
Professora inteligente de quem sempre gostei
Mulher ativa e muito batalhadora nessa vida
E seus ensinamentos no coração eu os guardei

Temos ainda muitos outros excelentes professores
Que não a tive oportunidade de com eles estudar
Temos Silvana,Ana Paula,Regina,e outros colaboradores
Como também Almira e Lilian,delas todas preciso lembrar

Eita família bonita para todos nós o SESI tem
E olha que eu nem falei de todos que fazem parte
Dessa história belíssima que é de todos também
Mas brindemos todos a união ao respeito e a arte

Última Estação


Tenho feito longas e intranquilas viagens
Nunca encontrando paradas para descansar
As vezes sou envolvida por fracas miragens
Porém raras vezes eu consigo delas gostar

Percorri quilometros mas sempre buscando
Fugir de algumas estações a mim impostas
Mas infelizmente os anos foram se passando
E os acontecimentos a mim pouco conforta

Nessa minha solitária viagem tenho continuado
E muitas foram as vezes que em meio a multidões
Senti-me como se da vida não tivesse participado
Continuando perdida num mundo vasto de ilusões

Mas de repente me sinto como que invadida
Por uma estranha e inexplicável sensação
Sem encontrar um sentido real para a vida
Sinto-me afundar num grande mar de solidão

E muito embora eu nunca esteja realmente só
Não consigo livrar-me dessa angustiosa sensação
E sem querer percebo estar sentindo por mim dó
É que já não existe mais alegria em meu coração

E nesse meu desespero quase cruel e crescente
Se apoderando de mim sem nenhuma compaixão
Pressinto que seja o medo desse meu presente
Ao pensar no desembarque da próxima estação

Pois eu bem sei que lá estarão me esperando
Indiferentes a esse meu triste desembarque
Sempre foi assim, olhos frios me espreitando
Aguardando por cada um dos muitos desenlaces

Mas hoje, nesse dia quente de verão senti frio
É que não me abandonou essa estranha sensação
As vezes sinto como se fosse da morte o arrepio
Me convidando a descer nessa última e fria estação

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Meus Versos


Na minha vida existem certos momentos
Que na verdade nunca consigo entender
São situações que me parecem tormentos
Que muitas vezes em vão busco esconder

Por isso quase sempre em meus versos
Demonstro com amargura muita tristeza
Também não é sempre que eu manifesto
Meus sentimentos com tamanha clareza

E abunda as lagrimas nessa mísera hora
Que em muitas vezes não as consigo verter
Mas dentro do meu peito a dor sempre aflora
E nada faço para isto não mais acontecer

E presumo que os meus dias se seguirão
Composto por momentos também de alegrias
Mas nenhum desses parcos momentos alterarão
O que há muito tempo a minha alma já sentia

Receio ainda que nunca irão vocês compreender
O que acontece de real no interior do meu coração
Pois eu sinto que não basta tão somente eu querer
Mudar ou não da vida qualquer que seja situaçao

E bem sei que muitos ainda rirão da minha dor
Não importando qual venha a ser a minha reação
É bem melhor sofrer não importando por qual amor
Do que não ter nada que embeleze o seu coração

Último Aviso


E o mundo muito irá se desesperar
Diante do que está por acontecer
Choros e gritos não vão adiantar
Os não salvos, esses irão perecer

Muitas vezes te foi contado
Que Jesus Cristo está voltando
Não adiantou se te foi revelado
Porém continuaste não acreditando

Hoje tu ainda não te apavoras
E muitos outros não estão abalados
Mas já sabes que tu ficarás de fora
Pois disto nunca foste enganado

O Senhor Jesus Cristo está voltando
Disto todos vocês já foram avisados
Te prepara prá não ficares lamentando
Jesus está voltando,não fiquemos calados

Vencer por Vencer


Há ocasiões na vida da gente
Que sentimos a humilhação bater
Mas uma vencedora nada teme
Nem da luta se põe a correr

Mas para uma vencedora audaz
A luta nem sempre é necessária
Pois toda aquela que é capaz
As vezes pensa de forma contrária

Na verdade não importa vencer por vencer
Se faz necessário que se entenda a razão
Se vais a luta apenas pelo simples prazer
Na certa está faltando algo em teu coração

Então cuida em buscar dentro de você
O que tanto falta para lhe completar
Pois só só assim irás compreender
Que apenas Deus pode ocupar esse lugar

Pois se te encontras triste e abatida
Já quase sem forças para poder continuar
Choras tristes e até muito desiludida
Mas Jesus em seus braços te carregará

E com certeza sentirás o grande alívio
Jorrando como água de dentro do teu peito
Mas entenda que isso étão somente o início
Do que para Deus lhe reserva por direito

E sorrirás diante de todas adversidades
Que em vão buscará um jeito de te derrubar
Pois entre Deus e você haverá uma afinidade
Que só mesmo aos justos é possível alcançar

Não se preocupe ou mesmo recei tropeçar
Pois com certeza estarás sempre amparada
Os braços do Senhor irá sempre te carregar
Na certeza com Ele estarás sempre abrigada

Reflexões


Percebo que há algo errado à minha volta
Porém eu não sei exatamente o que seja
Na verdade isso prá mim já não mais importa
Afinal são tantas coisas que não se deseja

Eu sempre busco razões que me faça entender
O que em tantas vezes não consigo mesmo sentir
Mas afinal talvez seja até mais fácil de ver
Todas essas coisas que na realidade está por vir

N
Também não sei se entendo bem o que falo
Mas é que nen para mim consigo explicar
Mas eu tenho certeza que as vezes que calo
É por não saber exatamente o que devo falar

E enquanto não vou entendendo o que se passa
Vou tentando encontrar qualquer razão enfim
E quem sabe nessa tentativa eu até mesmo faça
Reflexões importantes buscando dentro de mim

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Coração Em Festa


Ao prof: Alexandre

Os dias se abreviam,e vão se passando
Como também os bons e alegres momentos
Mas tudo em saudades vai se transformando
Dando assim início a um grande sofrimento

E hoje, aqui na quietude dessa biblioteca
Com calma vou tentando meus pensamentos expor
Revivo as vezes em que tivemos o coração em festa
No exato momento em que olho para o meu professor

Alexandre é o nosso professor de história
Quando com ele essa matéria comecei estudar
Conseguia sempre gravar tudo em minha memória
E foi assim que de história comecei a gostar

É muito bom quando você se sente gratificado
Ao conseguir chegar ao término de um período
Com o Alexandre foi um perfeito aprendizado
Pois com ele também atingimos o nosso objetivo

E eu nunca poderei um dia sequer esquecer
Do muito que fez por nós o prof. Alexandre
Com ele foi realmente muito bom aprender
E foi com ele que comecei a pensar grande

E nesse imenso silêncio, as vezes quebrado
Pelo incessante som das teclas do computador
Olho para o Alexandre e um muito obrigado
Brota calado em meus lábios e sucumbe ao pudor

Esperança e Experiência



Existem nessa vida os longos e também os curtos caminhos
Mas para alcançar sucesso é preciso se use de inteligência
Um dos caminhos a esperança tem início ainda pequenininho
O outro se adquire com o passar dos anos,falo da experiência

Quando em tenra idade, representa os sonhos e as esperanças
De toda uma família e as vezes até mesmo de toda uma nação
Assim tem sido vista do mundo todas as nossas crianças
Que tem sempre transbordando de bondade,e fé o seu coração

E com o transcorrer dos longos e também saudosos anos
Surge uma outra verdade que não depende de inteligência
Onde têm guardados todos os seus doces ou amargos arcanos
Falo do aprendizado adquirido com os anos de experiência

Não importa se és tão somente uma das muitas crianças
Ou um ancião esquecido por hábito ou mesmo negligências
E essa criança de hoje, será no amanhã nossa  esperança

Mas o nosso velho tem em si a riqueza das experiências

domingo, 23 de novembro de 2008

Admiração


À Minha Prof. Euzelinda

P ode muitas coisas em minha vida
R ealmente acontecer
O que a tornou porém mais rica
F oi conhecer pessoas como você
E olha que eu estou falando
S implesmente por puro prazer
S em receios de estar errando
O rgulhando-me
R ealmente de ter conseguido
A lcançar com sua ajuda meu objetivo


E u só quero ressaltar
U ma das muitas qualidades que você tem
Z elo, que sem nenhum esforço faz brilhar o
E smero que lhe é peculiar
L uta com garra por seus ideais,quando lhe convem
I nda que nem todos consigam seu valor reconhecer.
N ada porém me dá mais orgulho e prazer
D o que poder não só demonstrar, mas escrever
A grande e sincera estima que tenho por você

sábado, 22 de novembro de 2008

Novo Despertar


Que visão linda é esta paisagem
Me faz sentir imensa nostalgia
Relembro da minha vida uma miragem
Que um dia me trouxe grandes alegrias

Tudo para mim também começou assim
Eram sonhos, mas como todo ele passa
E o inevitável momento chega por fim
E tudo o mais se transforma em fumaça

E no auge de tanto encanto e beleza
Tal qual esse crepúsculo tão singular
Foi assim que para mim chegou a tristeza
Quando eu pensava ser feliz e apenas amar

E assim como o sol se despedia do dia
Indo tranqüilo seu corpo descansar
Deixando espaço para a noite que surgia
Com todos os seus mistérios,estrelas e luar

Assim foi que tudo comigo vi acontecer
Entraste em minha vida tão sorrateiro
Com calma, aos poucos moldaste o meu viver
Te fizeste amigo,cúmplice e companheiro

E te foste. Mas tudo está como você deixou
Assim como o dia se recolhe para voltar
Continuo te esperando por sobre o que restou
Desejando te ver surgir a cada novo despertar

Aulas de Biologia



À Prof. Andréa e a Turma 33D

Hoje as nossas aulas de biologia
Estão cada vez mais interessantes
Na sala reina momentos de alegria
Devido a alguns alunos participantes

Eu não entendo como a professora Andréa
Consegue a cada dia dar aulas tão bem
As vezes para mim se torna uma panacéia
Poder assim participar dessas aulas também

Estou me referindo nesse exato momento
Como não poderia deixar de ser,a dois alunos
Que as vezes se tornam um verdadeiro tormento
E não sei como não deixam a Andréa sem rumo

Ela é uma professora de extrema inteligência
Mas para suportar esses dois o Paulo e o Eliezer
É preciso que se tenha realmente muita paciência
Como vemos que vem tendo essa grande mulher

E olha que eu não vou fazer nenhum comentário
Dos demais alunos que se encontram aqui presentes
Pois quase nenhum deles agem de modo contrário
E isto sem falar nos que se encontram ausentes

Nunca pensei que um dia eu ainda ouviria
Comentários feitos até mesmo por mim
De como tem sido bom estudar biologia
E aprofundar nossos conhecimentos enfim

A professora Andréa está mesmo de parabéns
Pois com muito cuidado e experiência
Tem nos ensinado realmente até muito bem
Que Deus conserve assim tamanha inteligência

E aos meus queridos colegas de classe
Tenho por todos eles muito carinho
E escrevendo me sinto como se retratasse
De todos, as alegrias desse longo caminho

E de uma coisa tenho bastante certeza
Dessa turma eu nunca mais esquecerei
Pois em todos capto uma singela beleza
Que dificilmente em outros encontrarei

Parabenizo a todos que estão envolvidos
Nessa especial e gratificante missão
Todos vocês por mim são muito queridos
Os guardo com especial carinho no coração

E por nossa professora Andréa eu confesso
Nutro uma profunda e verdadeira admiração
E que para sua vida preveleça o sucesso
Pois é o que lhe desejo de todo coração

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Saudades Sem Fim


Foi muito bom te conhecer
Conviver contigo bem melhor
E o mais difícil irá acontecer
Separar-me de ti será o pior

E todos esses anos de rico convívio
Me mostrou o lado bom dessa história
E minhas lembranças será um suplício
Pois estás gravado em minha memória

Mas te ter durante todos esses dias
Despertou o que havia de melhor em mim
Foram alguns anos de grandes alegrias
Que se trsnsformará em saudades sem fim

Nunca imaginarás o que guardo aqui na alma
São os doces momentos que juntos nós tivemos
Quando te fores levarás de mim toda a calma
Só deixando as saudades do tudo que não vivemos

Doce Sorriso


À Querida Silvana

Essa moça com aparência tão delicada
Em seus traços assim tão juvenil
As vezes me lembra um conto de fadas
Nesse olhar tantas vezes infantil

Ela trabalha à noite na biblioteca
Sempre tão simples e muito diligente
A Silvana é sempre bastante discreta
E também mostra ser muito inteligente

Para ela parece não haver nada ruim
E prá nós sempre tem um doce sorriso
Eu falo isso é só tirando por mim
Pois a mesma nunca usa de capricho

É realmente muito gratificante
Ir a biblioteca estudar ou ler
Com ela no sentimos importantes
E tudo que lá fazemos é com prazer

Que o tempo Silvana não mude seu jeito
Que nos dias de hoje é difícil encontrar
Que a alegria faça morada em seu peito
Para que seu sorriso nunca deixe de encantar

E um dia futuramente nos reencontraremos
Cada uma por certo com seu sonho realizado
Com certeza nesse dia muito nos alegraremos
Por mais uma vez termos enfim nos encontrado

Que o passar dos anos lhe ensine apenas
A melhorar cada vez mais esse seu perfil
Se para você existir dores que sejam amenas
E permaneças assim... sempre doce e gentil

Minha Gata Bellinha


Nesse momento em meio a diversos sons
Tenho ao meu lado a minha linda gatinha
Que observa curiosa as cores de vários tons
Que empresta um toque especial a minha Bellinha

Eu acho até belíssimo esse magnífico quadro
Que aos meus olhos torna-se bastante inspirador
É ver a minha Bellinha como um lindo retrato
Incrustada na moldura do tempo e também do amor

É sem dúvida uma paisagem de raro esplendor
Só quem a vê nas nuances do nosso cotidiano
Percebe que para nós é de raríssimo valor
O amor que dedicamos ao meu lindo bichano

Para mim ela é também uma formosa menina
Me lembra da vida todos possíveis encantos
Não importa se estou falando de uma felina
O que importa para mim é que eu muito a amo

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Por um Momento


Uma brisa suave sopra em meu rosto
Aí me surge um misto de sensações
Para tanto, basta tocar o meu corpo
E aí me sinto envolver pelas emoções

E sorrio para mim diante da vida
Que sorrindo de mim,quieta zomba
E choro me sentindo meio vencida
Diante da vida que só me afronta

E perdida entre mundos distantes
Busco quem sabe alguma outra razão
Que me tire ao menos por uns instantes
O peso que martiririza assim meu coração

E cansada da vida e bem mais dos desgostos
Que constantes vivem assim a me afligir
Muitas vezes nem percebo que trago no rosto
A dor da solidão de quem já precisou fugir

E tentando vencer esse desiquilíbrio
Onde tantas vezes minha mente se esvai
Me perco em meio aos meus loucos delírios
E ouço minha alma soluçando por sobre meus ais

E sinto mais uma vez essa brisa tão suave
Que envolve pouco a pouco meus pensamentos
Parece nem sentir que quando minha alma invade
Tira as forças que preciso na luta contra o tempo

E vou tal qual essa mistura de sentimentos
Mergulhando por completo nos sonhos meus
E já nem percebo quando em dado momento
Estou nos sonhos que são apenas os teus

Mas me deixe ao menos por um momento
Sentir da vida bem mais que essa emoção
E talvez eu possa abrigar no meu pensamento
O que busco segredar apenas ao meu coração

Saudade Mesquinha


Eita saudade mesquinha
Que parece não ter fim
Quanto mais ela se aninha
Mais pena eu tenho de mim

Ela dói demais e de tal jeito
Que já nada mais me apetece
É muita dor sangrando meu peito
Por nada de bom que me acontece

Seria para mim tão perfeito
Ouvir tua voz clara e sensual
Deitar a cabeça em teu peito
E sentir que era tudo bem real

Mas esta saudade tão mesquinha
Que se alojou dentro de mim
Me mostra ser uma dor só minha
Que infelizmente não quer ter fim

Vicissitude


Em cada madrugada que vai chegando
Houve uma noite cheia de amargura
É que na essência mais nada vai brotando
Que dê a minha vida um pouco de brandura

E por longos momentos tenho sentido
Essa angústia que parece não ter fim
E a vida muito pouco me tem permitido
Até parece que ela gosta de me ver assim

Já não sei mais o que faço para saber
De como aceitar cada novo dia que surge
Pois para mim não basta tão somente querer
Não é preciso que haja tantas vicissitudes

E possa ser então que a cada amanhecer
Outras forças em mim sejam renovadas
E terei como aguardar um novo acontecer
Que finalmente me deixará realizada

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Corpo Cansado



Ao Meu Amigo Sérgio

Meu Deus que sono medonho
Que vez por outra me assalta
E o meu corpo muito enfadonho
Só pede por uma cama e almofadas

Tenho o corpo um tanto abatido
Meus olhos abertos mal se sustêm
E cada segundo que passa sou vencido
Pois meus sentidos quase não se mantêm

É muito sono que tenho assim acumulado
Estou precisando essa minha vida refazer
Pois nem sempre consigo ter reservado
O meu direito sagrado de em paz adormecer

Estou precisando de um pouco de repouso
Para esse corpo cansado já quase sem lazer
Até a minha voz as vezes me falha um pouco
É desgastante querer descansar e não poder

Me vem a cabeça uma cama confortável para mim
Preciso dar um repouso a este cansado corpo
Eu sei que em algum lugar existe uma cama,sim
Que com certeza, esta será bem do meu gosto

É preciso que eu descanse, enquanto que a vida
Sinto ela tramitar sem pressa por todo meu ser
E por mais difícil que venha sendo minha lida
Sei que mereço também ter nessa vida prazer...

Pensamentos Desencontrados


Mais um inverno que se aproxima
E voce continua de mim ausente
Nada mais há no mundo que me anime
Se não estás na minha vida presente

Quando recordo cada um dos momentos
Que bem feliz eu vivi ao teu lado
Tento assim reter meus pensamentos
Mas estes me parecem desencontrados

E este céu que parece agir com ironia
Não sabe a metade dos sonhos meus
Pois se ele assim soubesse não iria
Zombar desse sofrimento que tanto doeu

E percebo que em cada gota que do céu cai
Molhando quase impassível essa minha dor
Nem percebe como aumenta os meus tristes ais
Quando debruço na vida à espera do meu amor

E as minhas lágrimas com a chuva se confunde
Que insensível finge desconhecer essa mágoa
Que na minha vida em muito pouco se resume
Mas que não acaba como a chuva que deságua

E perdida no tempo ainda sinto a tempestade
Que saindo do espaço vem assim me envolver
E essa turbulência que minha alma invade
Só faz aumentar cada vez mais o meu sofrer

E me vejo assim envolvida, já quase sem forças
Tentando outra vez no tempo tua imagem reter
E me sentindo sem rumo quase como uma louca
E só eu vejo pouco a pouco meu mundo escurecer

E nessa tempestade mergulho em grandes anseios
Revivendo cada momento que foram só de nós dois
E sem acreditar percebo que todos os meus anseios
Sem querer fui deixando mais uma vez para depois

E sentindo do tempo a grotesca e cruel zombaria
Que nem percebe quão grande tem sido o meu sofrer
E isso tudo só porque perdi da vida toda a alegria
Que contigo se foi quando saiste do meu pobre viver

Talvez assim, para cada gota de chuva que corre
Uma lágrima não sairia gotejando do meu coração
E agora tenho percebido como a minha vida morre
Da mesma forma que tem morrido toda minha emoção

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

O Sonho Não Se Perdeu


Saber-te triste e angustiado
Desiludido,
Impotente e desacorçoado
Perdido,
Sem motivos para cantar
Sofrido,
Sem razões para sonhar
Inibido,
Como eu queria...
Poder sem nenhum receio
Embalar-te ao seio,
Dar-te um pouco de alegria
Deixar meus dedos entrelaçar
Aos teus,
Tua cabeça repousar livre
Nos braços meus,
E poder de leve te acariciar
Sem nada falar.
Mas em sussurros eu diria
Que o sonho não se perdeu
Que ainda vive,
Para quem não morreu...
E com alegria
Tu me responderias,
E dos teus lábios
Eu ainda ouviria,
Que nos afagos
Muito mais me darias,
Se eu assim quisesse...
Quem dera
Que isto fosse real de fato,
Que minha tristeza
Desaparecesse em teus braços,
E tua boca
Numa atitude quase louca
A minha arrebatasse
E os meus lábios esmagasses
Até faze-los sangrar.
Quem dera que os meus braços
Afogasse tuas mágoas
E teu cansaço,
E numa explosão louca,
Esse amor acabasse
Entre sussurros e gemidos.
Que esquecesse de vez
Que nunca seremos apenas
Amigos...
E eu ouvisse apenas insensatez
Despertando em mim
Toda essa embriaguez,
Que já não faz nenhum sentido
Mas que em nada põe um fim.
Quem dera em meio a tanta
loucura,
Eu finalmente pudesse
Da tua boca ouvir
Gemidos roucos,murmúrios lascivos,
E com muita doçura
Eu também pudesse sentir
Em movimentos precisos
Que mais nada precisa ser dito
Apenas sentido,
E quem sabe em meio a um pedido
Nos fizéssemos completar...
Quem sabe?
Se te esperar ainda vale
Quando finalmente
Poderei então te amar...

Riqueza de Mulher


À Prof. Euzelinda

Há coisas boas na vida que nos dá alegria
E muitas delas simplesmente acontecem
Mas para felicidade da grande maioria
Nem todos acontecimentos desaparecem

Hoje refiro-me a um alguém especial é claro
Que na minha vida ela tornou-se bem vinda
Falo de uma grande mulher de coração raro
Estou falando da minha professora Euzelinda

Em sua sabedoria que lhe é peculiar e singela
Vejo nela o que busco em outros e que é em vão
Suas experiências a tem tornado sempre mais bela
Nessa simplicidade que lhe empresta o coração

E vemos nessa sua grande riqueza de mulher
Que ela vive tranqüilamente o seu dia a dia
Enchendo de muito orgulho a todos que quer
Fazer parte desse seu munndo cheio de alegrias

Linda, nesse momento posso lhe assegurar
Que por mim nunca, jamais serás esquecida
Não importando os anos que irão se passar
Pois sempre lembrarei de ti minha querida

Crepúsculo da Vida


Onde o sol se punha lento e triste
Nascia um sentimento de pura agonia
Me perco sem saber por que isso existe
Que tira da vida toda e qualquer magia

Mas sabemos que todo crepúsculo tem fim
Assim também foi a nossa grande história
Mesmo que tenha sido mais triste prá mim
Mas sei que para ti não foi apenas glórias

Quando chegar finalmente o nosso entardecer
Onde provavelmente prá nós tudo acontecerá
Não importando qual de nós mais irá sofrer
E nem mesmo para onde o rio por fim correrá

Que cada um de nós retenhamos vagas lembranças
Que na certeza em nossa memória gravada ficará
E sabemos que após a tempestade haverá a bonança
Que o percurso da vida de cada um de nós mudará

Mas que para nós sempre prevaleça o respeito
Em nome de tudo que juntos um dia vivemos
E cada um desses momentos guardarei no peito
Por tudo que um dia sem pensar nós perdemos

Mas nunca permitamos que haja entre nós
Requícios de mágoa ou qualquer rancor
Mesmo que nenhum de nós estejamos mais sós
Ainda reteremos um pouco do que foi esse amor

Mas dentro de mim conservo a certeza que teremos
Fortes lembranças de tudo que juntos passamos
Pois foram muitos sonhos e percalços que vivemos
E grandes momentos que sem dúvida muito amamos

E se te encontrares completamente só e a saudade doer
E sentires a minha presença aflorar mesmo na surdina
Lembre-se tão somente que foi muito bom nos conhecer
Mesmo que tenha sido em horas tristes dessa vida ladina

E quando finalmente o crepúsculo da idade chegar
Se ainda juntos realmente não estivermos mais
Guarda contigo onde estiveres que foi bom nos amar
E melhor foi aprendermos a andar em limites desiguais

domingo, 16 de novembro de 2008

Momentos Esparsos


No meu semblante a incerteza é tão profunda
Que o meu coração sempre triste vive a inquietar
E esse tormento tão presente que minha alma abunda
Constantemente me tira o sossego sempre a me martirizar

E nessa inquietação quase sempre tão amarga
Meus olhos ao longe muitas vezes vagueia
E o meu pobre coração cansado sempre divaga
Nessas minhas solitárias noites de lua cheia

Estou cansada e meus olhos ainda ardem
Tenho entristecida a alma que sempre chora
Os meus sonhos esquecidos sempre aplaudem
Essa minha dor sofrida de quase toda hora

E nesse meu triste e angustiado lamento
Nesses momentos sempre perdidos e vagos
Só mesmo Deus sabe desse meu sofrimento
Que assim padeço nesses momentos esparsos

Diante Da Vida


Uma brisa suave sopra no meu rosto
Logo sinto um misto de sensações
Fechando os olhos senti no corpo
Um fremir envolver minhas emoções

E sorrio para mim diante da vida
Que sorrindo de mim, quieta zomba
E choro me sentindo meio vencida
Diante dessa vida que só me afronta

E perdida entre mundos distantes
Busco quem sabe alguma outra razão
Que me tire ao menos por uns instantes
Esse peso que martiriza assim meu coração

E cansada da vida e de seus desgostos
Que constantes vivem a me afligir
As vezes nem percebo que trago no rosto
A dor da solidão de quem precisou fugir

sábado, 15 de novembro de 2008

Ausência Quase Presença


Uma sensação de abandono
Que me deixa assim inquieta
Me tira por completo o sono
E o tédio a tudo completa

Não sei se com a vida me aborreço
Ou simplesmente a ela devo ignorar
Só sei que mais uma vez eu padeço
E já não consigo mais me alegrar

Mais eu tenho sentido certa tristeza
Sem nem sequer saber de onde ela vem
Mais de uma coisa eu tenho certeza
É tua ausência quase presença meu bem

Isso no meu mundo me incomoda bastante
Por eu ser uma sombra na tua vida, talvez
Que para ti tudo isso não seja importante
Mas para mim é uma verdadeira insensatez

Não quero mais nunca na minha existência
Ser tão somente uma figura decorativa
Pois hoje faço uso de grande persistência
Para sentir-me sempre muito bem viva

E creia que para mim isto será impossível
Se razões dentro de mim eu não mais tiver
Que possa tornar a minha vida menos difícil
E ela não mesmo será, se tu assim não quiser

Não importa se na minha vida um dia
Quisesses ela em melhor transformar
Pois se és tu somente a única alegria
Que consegue a minha vida assim mudar

Não permita que se interponha o tempo
Entre a minha vida e o teu viver
Não se deixa levar ao sabor do vento
Basta que continues assim a me querer

Me arranque esse silêncio que brota na alma
Me devolva essa paz que o tempo já levou
Se apenas nos teus braços encontro a calma
Não me digas nunca que apenas ontem me amou...

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Meus Sonhos


Eu queria poder sentir
Da vida maior prazer
Viver sempre a sorrir
Sem mais nada a temer

Eu desejo muito poder
Ao mundo correndo contar
Que hoje me faço entender
Que hoje me ponho a cantar

E os meus olhos sonhadores
Olha sorrindo em derredor
As minhas noites de amores
Serão cada vez bem melhor

e numa ânsia assim quase louca
Nesse mundo de sonhos incansável
Fico sorrindo, e a minha boca
Esconde o sorriso de um miserável

Não adianta querer se iludir
Nem tão pouco querer se enganar
Para mim só resta mesmo é fingir
A mim só resta mesmo é sonhar

Sonhar que na vida quase tudo é perfeito
Que o sofrimento há muito já me deixou
Que eu não tenho mais tristeza no peito
E também que a vida jamais me enganou

Esquecer de tudo que for loucura
Que faz parte também do homem são
E mergulhar numa triste procura
que ainda faz bater meu coração

Ansiar por cada um dos desejos reprimidos
E lutar bravamente por cada sonho também
Meus sonhos, estes sempre tão esquecidos
Mas nunca deixaram de ser sonhos meu bem

Pedacinho de Gente


Não é mais que quatro meses
Que esse pedacinho de gente tem
E já perdi o número de vezes
Que nos deixa como bobos também

Ele é um sonho tão perfeito
E o que mais me chama à atenção
É quando a sua mãe cheia de jeito
Aflora o grande amor do seu coração

A Dani é uma mãe assim tão perfeita
E do Iggor Vinícius cuida tão bem
Que seria com certeza grande desfeita
Se eu omitisse essa qualidade que ela tem

Mas, voltando ao pequeno Iggor Vinícius
Igual a este bebê juro com certeza não há
Nunca será da vida um qualquer estropício
Pois a tua vida será para ti um eterno cantar

Iggor ou Vinícius como o chamam não importa
Que o chamem como o queiram assim chamar
O que nos basta é que a nossa vida conforta
Saber que temos esse bebê para muito amar

Vinícius, esse é o sonho de muita gente
Mas foi a nossa vida que ele veio alegrar
Somos de fato uma família muito contente
Temos um Vinícius na vida para amar...

I nteligente ele já começa a demonstrar
G randemente que na vida vai ser
G ostaria apenas de ressaltar
O imenso orgulho que sempre vamos ter e
R azões de sobra para esse pequenino amar

V amos todos nos contagiar nessa alegria
I nda que a Karine aqui ainda não pôde chegar
N unca porém esqueçamos que ela é tia
I mpossível dessa felicidade ela não participar
C omo ela se encontra de nós um pouco distante
I mportante é que na ausência presente ela está
U m consolo para todos nós eu diria
S omos afinal uma família bem participante
................................................
E tudo isso em nome desse pedacinho de gente
Que nos deixa assim tão carente
Só querendo a ele abraçar

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Incondicionalmente


Tudo foi acontecendo aos poucos,
Dia após dia,
Vi o meu castelo de sonhos
Ruindo como se fosse de areia...
Eu sempre encarei o fato de que nada
Nem tão pouco ninguém
Conseguiria abalar as estruturas
Sólidas
Da minha existência já tão cheia de
Percalços
E as infrutíferas tentativas de vencer
Aquele triste e melancólico sepultamento
Da minha tão pobre e desbotada existência.
Achava eu que seria impossível
Haver qualquer mudança
No meu modo de agir, pensar e
aceitar as coisas...
Mas foi quando você chegou...
E surgiu em minha vida num momento
Em que eu apenas existia
E com muitas ressalvas também.
Mas você chegou... não apenas chegou...
Você entrou na minha vida...
Entrou aos pouquinhos, mas com certeza
Entrou para ficar...
Com seu jeito doce
Foi transformando a minha existência,
Que não passava de medíocre existência...
Com carinho foi me mostrando
Que para tudo na vida há um começo e um fim
Com um olhar terno e um sorriso cativante
Ofereceu-me um ombro amigo
E um lugar em seu coração
E como uma flor
Que esqueceu de desabrochar
em seu devido tempo
Eu fui, pouco a pouco modificando
Meus gestos, atitudes e pensamentos
Você conseguiu me mostrar
Que eu era mais importante que tudo e todos
Por você fui aos poucos me valorizando
E sobretudo você me ensinou a viver...a amar...
Amar incondicionalmente...
Hoje eu sei que sorrir,amar e viver
Tem tamanho e peso
Tem nome e acima de tudo
Tem um doce gosto de aventura
Um gostoso sabor de felicidade...

Alma Plangente


Nessa tarde, o meu coração plangente
Embebe-se mais uma vez no cálice da dor
E a minha alma tão intranqüila emergente
Parece fenecer nessa história de amor

E a tarde que por sua vez já declina
Cansada talvez de tanto me ver chorar
E também a noite que lenta se aproxima
Mais uma vez tentam minha vida enfeitar

Em uníssono posso perceber a natureza
Se envolvendo nessa história minha
Mas já não há quem possa dar beleza
A esse sofrimento que hoje só espinha

E deito-me e rolo por sobre meus sonhos
Tentando nesse cruel silêncio que perdura
Suavizar nesses versos que ainda componho
Dando a minha dor um pouco mais de ternura

E a madrugada que breve também se anuncia
Apenas me acolherá em seus braços de marfim
E mais uma vez tudo em mim ainda evidencia
O sofrimento que nessa madrugada nao terá fim

Porém o amanhecer sem mais nenhum enfado
Contempla meu corpo já quase adormecido
E sinto algo envolver meu semblante cansado
E tudo o mais para mim dixou de fazer sentido

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Eterno Cansaço


Um cansaço se abateu sobre mim...
Tenho a mente num vazio profundo
O corpo num desânimo brutal
E a alma em inexplicável desalinho.
Nesse cansaço quase mortal
Que invade meu pequeno mundo
Sinto revolver o meu espírito tão inquieto
E há um turbilhão de incertezas
Rondando a minha alma como um desafeto
Já não há como fugir
Das consquências desse desatino
Já perdi do íntimo toda a beleza
E sinto-me perdida e vazia ao querer
Mergulhar dentro de mim...
Já não sei como fazer para livrar-me
Dessa loucura que sufoca meu destino
Que tenta acorrentar-me
Nesse mar de desenganos sem fronteiras
Estou perdida... perdida e só...
Não há como explicar-me
Não há como entender-me
Só há como aceitar-me...
Completamente só,nessa angústia primeira
Tento buscar o que me possa completar
E nessa busca sinto o desânimo
Se abatendo sobre mim,
E esse terrível cansaço parece não ter fim.
Sinto-me perdida, sinto-me assim
Leve como uma pluma
Que sendo levada pelo vento
Imersa nesse destruidor vendaval
Tento agarrar-me a algo que me traga
De volta à vida, que não me faça desmaiar
Ao menos por uns momentos
Quero ao menos por fim encontrar
O meu tão buscado anseio
Ah! que cansaço a atormentar-me
Que desvairo a alucinar-me...
Parece nem sentir meus receios...
Esse cansaço parece só querer comigo brincar...
Mas sei que já não posso, já não consigo
Sequer bocejar...

Se um dia


Eu queria de algum modo poder fazer parte
Desse mundo que percebo ser paralelo ao meu
E somente com alegrias eu iria presentear-te
Só deixando que o meu destino colorisse o teu

Mas com certeza nem sempre a vida nos dá
Apenas motivos para ir nos fazendo sorrir
As vezes se faz necessário irmos buscar
Mas para isso nós temos que parar de fingir

E eis que do mundo sempre ouço falar
Das muitas misérias que temos por aqui
Mas afirmo que nada se há de comparar
Se um dia eu precisar separar-me de ti

Pois eu te quero com tanta intensidade
Que as vezes nem percebo a vida passar
Mas para a minha tão sonhada felicidade
Eu só preciso de você para comigo ficar

Na Multidão


Caminhando perdida na multidão
Buscando quem sabe a tua presença
E nada acho que possa dar evazão
Ao meu coração já tão sem crença

E me perco em loucos devaneios
Tentando em desespero te encontrar
Cresce assustadoramente meus anseios
Aumentando assim meu desejo de te amar

Quem dera que eu pudesse encontrar
Uma forma bem mais suave de viver
E assim eu não teria mais que chorar
Nem vontade para o mundo de morrer

E sempre perdida em meio a esses escombros
Amargando essa cruel e triste realidade
Meu corpo cansado arqueia num quase tombo
Pois não encontro da vida a felicidade

E vou prossiguindo cada vez mais perdida
Insistindo de te encontrar nessa multidão
E bem depois de muitos sonhos e investidas
Sentir finalmente que acolhes meu coração

E terei então motivos para voltar a sorrir
Lavando da alma esse meu inquietante desejo
E humildemente poderei finalmente te pedir
Que realizes o meu sonho de ter teus beijos

E depois de longas noites de insônia, eu quero
Poder finalmente ver este meu sonho se realizar
E que não seja apenas esta vez, pois assim espero
Ter os teus braços e a tua boca para me completar

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Bodas de Prata


Aos amigos Di e Guida

Vinte e cinco anos já se passaram
De amizade e amor verdadeiro também
E os anos sempre a eles mostraram
Que só eles juntos estaria tudo bem

Estiveram sempre muito firmes e unidos
Para em nome do amor a tudo eles vencer
Pois cada momento que por eles foi vivido
Só fez este amor cada vez mais crescer

E eles lembram bem quando tudo começou
O destino já havia assim determinado
Foi aos poucos,com respeito o amor brotou
Fazendo desse homem um eterno apaixonado

E um dia sem que nunca o tivesse desejado
Foi que tudo aconteceu em meio a tanta dor
Quiz Deus fazer esse momento ser chegado
Deixando-a com quatro filhos e sem amor

Ela viúva, ele foi aos pouco se aproximando
Revelando o que de fato ele guardava na alma
E com muito carinho ele lhe foi mostrando
Que ele tinha para ambos muito amor,paz e calma

E quando Deus determina Ele assim bem faz
E uniu esse casal de tal forma e jeito
E como Di prometeu chegou a tão desejada paz
Que transformou o mundo de ambos em perfeito

E por mais difícil que fossem as dificuldades
Com amor sempre procuravam a tudo enfrentar
E hoje os filhos criados mostra a capacidade
Que juntos tiveram para com determinação os criar

Mas hoje estão sós, ficaram os dois apenas
Os filhos crescidos fizeram enfim suas vidas
E a convivência que as dores sempre torna amena
Reserva para eles uma velhice sem tantas lidas

E olhando para traz durante todos esses anos
Perceberão com muita ternura que foi o amor
Que suas existências encheu de tantos encantos
E que foi sempre juntos que venceram toda dor

E muitas vezes quando se vê só em casa
O Di parece sem forças para em casa entrar
É que cada momento que sem ela ele passa
Sente a sua vida em tristeza se transformar

E esse amor tão grande e verdadeiro
Que de longa data em seu peito habita
Parece querer tomá-lo de corpo inteiro
Quando Guida ressurge ante suas vistas

E para esses dois a vida tem sido assim
O que para muitos seria apenas conveniência
Para eles é o complemento, é o tudo enfim
Dessa harmoniosa e tão perfeita existência

Vinte e cinco anos nessa longa jornada
Fazendo de cada momento uma eternidade
Encontrando no amor uma vida transformada
E em união perfeita vivem suas realidades

E hoje se aproximando a desditosa velhice
Lembrarão com muita ternura da mocidade
E sorrirão unidos e firmes nessa meiguice
Que os encantou em meio a tantas vaidades

O inevitável chegará um pouco mais tarde
Um deles sentirá dos olhos a lágrima correr
Uma lágrima de tristeza e infinita saudade
Quando um ao outro já não poderá mais ver

E com doçura olhará triste para a sua mão
Tocando com saudades e dor naquela aliança
Que representa uma parte do seu coração
Que se foi só deixando as ricas lembranças

Mesmo Deus não dizendo a hora,esta chegará sempre
Permaneçam sempre unidos nesse amor tão verdadeiro
Até o dia que inevitavel, um por certo terá na mente
As lembranças desse amor que para eles foi tão fagueiro

Ciúmes


Ao Meu Esposo

Foi sem querer que você me olhou
E sorrindo fez vibrar meu coração
Foi assim que você se apaixonou
E sem pensar abraçasses essa paixão

Em muitas noites a insônia se fez presente
Tuas horas passaram a ter mais significado
Tua presença sempre constante nunca ausente
Nesse sentimento por ti tão mistificado

E era verdadeira loucura teus sentimentos
Era muito amor bem sei, mas ciúmes também
E então deram inícios aos teus tormentos
E cada dia que passava ía muito mais além

Nunca te perguntei o que de fato te provocava
Pois razão para tanto eu sabia que não havia
E com o tempo teu riso já não mais espocava
Eu sentia não era tão verdadeira a tua alegria

E por muitos anos prosseguimos mesmo assim
Teus ciúmes só crescendo era enlouquecedor
Liberdade nem para pensar eu tinha prá mim
Teu sentimento aos poucos se tornou destruidor

E mesmo assim continuamos a caminhar juntos
E apesar de tudo sempre permanecemos unidos
E nossos momentos alegres se fizeram muitos
E lutamos juntos para não sermos vencidos

Até que a maturidade certo dia a nós atingiu
Ou terá sido a rotina nossa companheira cruel?
Não sei... já não importa, pois o meu mundo caiu
Senti pela primeira vez o gosto amargo do fel

Mas para mim uma certeza que ainda menos conforta
É ignorar o que eu possa finalmente chamar de real
Pois uma vida que se encerra por trás de uma porta
Jamais voltará a ser novamente uma existência leal

Quisera



Quisera eu ter nascido antes de ti
E poder desfrutar dos teus afagos
Ao invés do temor que me faz fugir
Com medo de atirar-me em teus braços

Por que as coisas têm que ser assim?
Poder te olhar e poder contigo sonhar
Podendo nesses meus sonhos te amar enfim
Pra sofrer depois toda vez que eu acordar

Mas esse meu destino sempre cruel e traiçoeiro
Te trouxe pra mim, mas, já era um pouco tarde
Pois fui eu que desditosamente nasci primeiro
Hoje eu pago o preço, por não poder amar-te

Mas nesse sofrimento o meu grande consolo
É sempre poder te ter nas minhas noites vazias
É poder serena te olhar, sempre olho no olho
Aquecendo assim a minha alma perdida e fria

E no despertar desse meu triste martírio
Penso que entre nós jamais haverá um adeus
Pois nem sequer podes imaginar o meu idílio
Nem os etéreos sonhos que são apenas meus

E pensar que maior se torna a minha dor
Por não poder confessar o que guardo calada
Por não poder viver essa história de amor
Nem permitir que por esse amor eu seja magoada

Destino triste e bastante cruel esse meu
Nasci antes de ti, mas isso já não importa
Se contudo a vida um pouco mais ainda me deu
Que é a chance de ver-te que meu peito conforta

E sempre haverá tempo para contigo então sonhar
Não importando o desgosto que comigo ainda guardo
Se nessa vida nunca poderei então assim te amar
Ao menos em sonhos poderei cometer esse pecado

E desse pecado não vou querer nunca remissão
Que seja este meu grande e eterno segredo
Continuar te amando calada e na minha ilusão
Levar esse amor adiante sem precisar ter medo



Medo que eu seja um dia por ti descoberta
Que sonho perdida em meio aos teus braços
Mas nesse céu que só o meu mundo empresta
Morro todo dia feliz no prazer desses afagos

Nunca ti será permitido, nem em pensamentos
Saberes desse amor assim tão grande e desigual
Sentimentos que escondo nos meus fingimentos
Pois seria loucura deixá-lo transparecer afinal

E guardo comigo cada olhar teu, cada traço
Cada toque sem toque que entre nós acontece
É quando acidentalmente sinto o teu braço
Fico imaginando como tudo seria se eu pudesse...

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Sem Forças


Quando na angústia me sinto as vezes
Como um elo perdido a vagar sem rumo
E um vazio me acompanha por meses
E vou megulhando num abismo profundo

E perdida choro e em vão me debato
Tentando já sem forças me libertar
E em meio ao desespero surge um fato
Que vem minhas lembranças ressuscitar

E num suspiro calmo e profundo
Ergo a cabeça desafiando a vida
Busco um modo de vencer esse mundo
Que muitas vezes deixou-me perdida

E nas sinuosas curvas da existência
Um novo desafio a cada dia vai surgir
Quem sabe eu tenha da vida benevolência
Prá sentir coragem e não ter que fugir

E prossigo mesmo sem forças e cansada
Mas vou tentando com coragem resistir
Buscando num tudo tantas vezes um nada
Mas sempre disposta a não mais desistir

Eis que se aproxima o poente da minha vida
Mesmo tendo a alma arrasada ergo a fronte
E sorrio... sorriso triste mas não de vencida
Pois tenho esperanças de um novo horizonte

Mórbido Estoicismo


Sinto-me assim estranhamente vazia e só
Até parece que o estoicismo me abraçou
Mesmo como um estoico não me sinto melhor
Diante do meu mundo que quase desmoronou

Vejo os sonhos se dissiparem no ar como fumaça
E as dores que latejam impregnando todo meu ser
O sofrimento em desalinho minha alma traspassa
E meio perdida vou tentando a tudo esquecer

E como folhas secas me sinto assim levada
Pelas adversidade que a vida me apresentou
E como toda folha tem seu momento de parada
E soçobrando nas mágoas meu momento chegou

Muito calada e meditando cabisbaixa permaneço
Um suave torpor que aos poucos chega e me abraça
E ao mundo a minha dor timidamente eu ofereço
E pouco a pouco diante da vida meu olhar se embaça

E sorrio de modo indiferente a tudo e a todos enfim
Sentindo os braços frios da morte que já me enlaça
E vou pressentindo que está perto afinal o meu fim
É onde a vida de mim sorrateiramente se esgarça

E eis que uma brisa que sopra não menos gélida
Vai aos poucos envolvendo minha alma solitária
Calmamente vou me desgarrando dessa vida fétida
Que da dor tão bem soube me fazer tôla voluntária

domingo, 9 de novembro de 2008

Sem Rumo


E nessa longa caminhada da minha vida
Foram inúmeros os atalhos que encontrei
E quando as tentativas me pareciam perdidas
Percebia que nada do que eu queria busquei

E continuava sem rumo e sempre perdida
Muitas vezes deixei-me pelo destino levar
Mas confesso que também sempre fui impelida
A nunca desistir, mas sempre a continuar

E mesmo desejando muito por um não sei o quê
Pelas esquinas da vida eu mesma sempre busquei
Libertar-me para sempre de qualquer um por que
Que porventura eu mesma um dia me questionei

E eu sempre continuava nessa louca caminhada
Atravessando centenas de extensos rios e mares
Desejando que um dia eu pudesse ser encontrada
Livrando-me para sempre de todos os pesares

E sempre buscando ansiosa por cada esquina
E também em cada beco que se me apresentasse
E foram muitas as vezes que sempre em surdina
Não permiti que o destino cruel me apunhalasse

E continuei assim sem rumo e sempre vagueando
Caminhando à espreita de um mal que me surgisse
E foram tantas as vezes em que eu cambaleando
Senti as lágrimas escorrerem dos meus olhos tristes

E hoje como ontem ou como meu amanhã sei que terei
Muitas passadas perdidas que por certo irei dar
Mas continuo esperançosa que um dia ainda poderei
Caminhar com passos firmes sem sequer tropeçar

sábado, 8 de novembro de 2008

Alienada


Muitas vezes quando angustiada
Ouço impassível a voz da razão
E percebo que me sinto aniquilada
Ao não conseguir atender meu coração

E nesse desespero me sinto alienada
Desejando motivos para voltar a sorrir
E perdida assim em meio a tanto nada
Sempre busco um meio para de tudo fugir

E sinto mais uma vez as lágrimas brotar
Revolvendo minha alma ferida de dor
E percebo como elas vêm para me consolar
Pois não deixam eu esquecer do meu amor

E envolvo-me sempre mais nesse sonho
Onde minha alma frágil se deixa alienar
Por esse desejo que cresce assim medonho
Só tem aumentado bem mais o meu pesar

E sempre que me perco em cada passo
Que tantas vezes dou perdida e sem razão
Aumenta mais o desejo de nos teus braços
Viver cada segundo dessa inerente paixão

E mesmo que eu nada ainda possa dizer
Que seja um pouco mais do que eu deva
Não adianta fingir um certo não querer
O que na alma bem sei, já a tenho presa

E que seja este hoje o meu triste castigo
Pois querendo-te assim eu não o esqueço
Mas eu bem sei que és para mim proibido
E se sonho contigo em teus braços desfaleço

E continuas sendo o maior dos meus desejos
Quero o meu corpo em teu corpo aquecer
Sentir a loucura dos tão sonhados beijos
E poder intensamente essa história viver

Quem dera que aquela boca tão desejada
Me disesse o que busco sempre ouvir
Mas receio que dessa boca tão adorada
Não sairá o que eu tanto desejo sentir

Se ao menos no tempo voltar eu pudesse
Não haveria receios d'eu vir a te tocar
E não existiria quem na terra pusesse
Tanto amor a prova sem ao menos recear

Nosso Amanhecer


Nosso Amanhecer

Eu hoje acordei assim bem preguiçosa
Só querendo na minha cama continuar
Embora a manhã estivesse tão radiosa
Senti que na minha cama você não ia estar

Sonhei contigo quase que toda a noite
Para sonho até que foi por demais real
E nem mesmo a vida com tantos açoites
Tiraria de mim essa noite tão especial

Foi uma noite de loucuras e amor também
Nunca pensei que algo assim fosse acontecer
Da vida foi um raro momento, contudo porém
Confesso, foi muito triste o nosso amanhecer

Pois saíste da minha cama tão sorrateiro
Assim que a madrugada começou a dispersar
Bem sei que esse momento foi o primeiro
Mas eu pensei que pelo sol irias esperar

Mas saíste da minha vida mal o sol nasceu
Eu jurava que nas cobertas ias te esconder
O nosso amor foi como uma noite que morreu
Esperando uma outra noite para poder reviver

É tudo loucura, bem sei o que me aconteceu...
Mas não quis evitar nem fugir desse fato
Pois essa doce loucura que comigo você viveu
Foi apenas um sonho que invadiu o meu quarto

Rascunhos da Minha Vida



As vezes a minha dura realidade
Ela tem sempre algo a me dizer
Gosta de lembrar a minha idade
Quando resolve me falar de você

Entre extremos tanta vezes desiguais
Sempre busco consolo nos sonhos meus
Há momentos que não consigo sorrir mais
É por lembrar como dói um triste adeus

E entre os rascunhods da minha vida
Vou procurando encontrar uma solução
Que não me faça sentir tão perdida
Nem que machuque muito meu coração

E nesses constantes e breves anseios
Nessa saudade que presente já se fez
Busco na memória como um suave gorjeio
A tua voz como se fosse uma última vez

E percebo até com certo desencanto
A saudade mesquinha a me torturar
E tento buscar outra vez o encanto
Dos nossos momentos em todo lugar

Embora eu não queira mas já pressenti
Que seria bom se pudessemos ocultar
Os grandes momentos que contigo vivi
Pois são momentos que devemos guardar

E teremos nessa incansável realidade
Muitas razões para nos fazer continuar
Buscando talvez um pouco de igualdade
Quando se trata de conjugar o verbo amar

E amo o que na minha vida sempre amarei
E com carinho o guardarei no meu peito
Os momentos que da vida um dia resgatei
Serviu para vivermos de modo tão perfeito

Acróstico


À minha prof. Márcia

M atemática essa sempre foi uma matéria
A qual eu nunca na minha vida suportei
R isquei e rabisquei de forma nunca etérea
C omo se todas fossem a primeira vez
I nda que eu algo conseguisse entender
A certar qualquer coisa parecia insensatez

R evolvendo sem resolver nenhum dos problemas
E ra esse ou aquele outro assunto sempre chato
J ulguei que nunca venceria esse triste dilema
A i meu Deus, era tudo muitíssimo complicado
N úmeros, gráficos, ou qualquer outro assunto
E u sempre achei a coisa mais dífícil do mundo

R esolvi então pelo menos uma vez me questionar
O porquê desses momentos assim tão dramáticos
C om cuidado observei que eu também podia dedicar
H oras que me ajudariam a vencer certos obstáculos
A ssim a matemática venci e consegui minha aprovação

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

A Chuva


A chuva bate forte contra a vidraça
Parece querer da vida me despertar
Olhando a janela sinto a alma baça
Penso em você não vejo o tempo passar

As águas como enxurradas descem a rua
E um desejo enorme me vem de brincar
Eu sinto já não ser criança de vida nua
Existem sentimentos que preciso segredar

E o som forte, divino e maravilhoso
Dessa chuva que está caindo sem cessar
Eu sinto um sentimento estapafurdioso
Me convidando gentilmente a brincar

Mas nesse exato e melancólico momento
Como um filme vejo a vida passar
E sinto que a chuva é como um tormento
Como meu sentimento que teimo em calar

E continuo observando a chuva que cai
Lavando da minha alma todo o marasmo
E inconsciente aos poucos minha vida vai
Tentando se libertar de todo sarcasmo

E a minha existência prossegue lentamente
Lutando sem forças, mas tentando vencer
Só não quero ser como a chuva que morosamente
Desce as encostas e em algum lugar vai morrer

Dispersas ao Vento


A água que desliza mansamente
Através da quietude da floresta
Me faz viver tudo novamente
Nas cores que a vida nos empresta

No silêncio que esconde o meu pensar
Florescem histórias de encantamento
Talvez eu nem sequer possa imaginar
Mas posso dar vida ao meu pensamento

E o som inquietante que a mata adentra
Talvez entenda meu descontentamento
É que as vírgulas do destino me afugenta
Quando sinto zombar de mim o fingimento

Com certeza meiguice já não enternece
Quem tem razões para descrer da alegria
Um coração amargurado somente embrutece
Quando já perdeu da vida toda euforia

Brincar de faz de conta com o destino
Apenas machuca quem não se prepara
Traduzir de forma grande o pequenino
Só mesmo para quem vive as claras

Eita destino infeliz e desencontrado
Nos revela subitamente a natureza
Mas para quem está de coração magoado
É no silêncio que esconde toda firmeza

E o silêncio quebrado pela algazarra
Dos pássaros revoando em bando colossal
Nos convida a fazer parte dessa farra
Mas forma simples e muito especial

E olhando outra vez essas águas puras
Que desliza sem pressa e mansamente
Nem reparo na vida todas as agruras
Que se banha na lágrima calmamente

Nessas lágrimas percebo a minha vida
Que corre nostalgica ao sabor do tempo
Triste por ter a ilusão assim tão perdida
E as sobras dos sonhos dispersas ao vento

E perdida nos tristes resumos da vida
Onde os sonhos inevitável perdeu a razão
Mas conservo nos olhos a imagem atrevida
Que um dia tive plantado em meu coração

Triste Silêncio


Agora olhando esta sala vazia
Nesse silêncio tão profundo
Sinto uma grande nostalgia
Invadindo meu pequeno mundo

Os riso sempre tão contagiantes
Parecem tinir em meus ouvidos
Eram os risos de principiantes
Mas nunca deixaram de ser risos

Eis que uma sombra de parca alegria
Vai se confundindo em minha mente
Nesta sala houve momentos de magia
E de muitas brincadeiras esfuziantes

Mas nas horas que exigia atenção
A maioria sempre procurava respeitar
Mas havia quem andasse na contra-mão
Mas só conseguiam em muito se prejudicar

Mas os professores procurava faze-los entender
Que para tudo na vida sempre há um certo momento
Mas é preciso que também se faça compreender
Que é necessário que se tenha discernimento

Mas eita silêncio danado de ruim
Ele me dixa realmente muito triste
Não sei se incomoda apenas a mim
Só sei que de doer ela nunca desiste

Missão Cumprida


Parece até que foi ontem
Que tudo para nós começou
Foi na escalada desse monte
Onde cada botão desabrochou

Com dias nem sempre tão calmos
Porém cada um a sua luta venceu
Em meio a experiências e agravos
Nossos sentimentos a tudo venceu

Ei-nos chegando a reta final
Com honras e tristezas também
E para cada momento triunfal
Um riso que nos levou mais além

E a nossa esperança que chega
Nos encoraja a sempre prosseguir
Pois foi grande a nossa peleja
Mas hoje dos sonhos vamos usufruir

No futuro as lembranças se farão
Mais fortes, e também as saudades
E sempre haverá quem chore de emoção
Ao lembrar cada momento dessa verdade

Muitos por certo irão mais adiante
Querendo no tempo os sonhos completar
Outros seguirão, mas não tão avante
Dizendo não ter razão para continuar

E mesmo que juntos não continuemos
Esse tempo que passamos lado a lado
Para o futuro com certeza guardaremos
Cada minuto de gloria conquistado


Em cada rosto estampa-se um sorriso
Pela certeza do sonho realizado
Nos lembrando de cada um dos amigos
Que como nós teve o sonho conquistado

E temos a certeza de que cada sacrifício
Por mais dificultuoso não foi em vão
Pois em cada situação ´que foi difícil
Houve sempre o abraço de um bravo irmão

Irmão esse que muito bem pode ter sido
Um colega ao lado ou mesmo um professor
Não importando se tornou-se um teu amigo
O que importa é que aqui foi o teu mentor

E durante muito tempo uma família formamos
Pois durante todo o curso assim sempre foi
Juntos, sorrimos, vibramos e também choramos
Mas o reconhecimento sempre nos vem depois

Eis que juntos sempre permaneceremos
Em cada lembrança que irá nos chegar
E com certeza a alegria sempre teremos
Pois unidos nós conseguimos triunfar

E cada sorriso que nos lábios brotar
Será mais uma dádiva do bondoso Deus
E juntos poderemos assim comemorar
Por conseguimos do estudo o apogeu

Agradecemos aos mestres e também aos demais
A cada um de vocês que nos acolheu e ajudou
Se termos nosso sonho realizado nos satisfaz
Que entre nós permaneça a gratidão e o amor

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Uma Carta


Encontrei uma carta que dizia assim

... faltou-me coragem para abraçá-lo...
faltou-me coragem para teu pescoço enlaçar...
faltou-me coragem para beijá-lo... mas
faltou-me coragem para deixar de te amar.
E nos receios constantes da vida,
no medo feroz do pouco depois
e a saudade que no meu peito martiriza
me lança no rosto que o meu tempo
já ficou para trás...já se foi...
e me perco em loucos desvairos
em desejos insanos também
porém nunca, em nenhum momento
aceitei te perder para alguém...
mas o tempo cruel e implacável
não aceitou ouvir meus queixumes
Mas contudo deixou na minha mente
o cheiro gostoso do teu perfume...
Bem sei que se um dia esta carta
vir a cair em tuas mãos
por certo até acharás graça
dessa que não sabe te tirar do coração.
E que sofre mas não se rende
ao que o destino interpôs,
para que maior castigo
se foi você quem nasceu depois?...
Sofro, mas isso já não mais importa
eu sei que é de outra teu coração,
embora isso em nada me conforta...
Eu sei que é uma outra que o teu corpo toca
que nele desliza suave as mãos,
e a tua boca, essa tentadora boca
deverá traçar loucos caminhos
que mesmo não sendo em curvas sinuosas,
tu as enriquece com carinhos...
mas e essas tuas mãos,
esses teus braços aconchegantes
e essa tua boca provocante
mais esse teu olhar atordoador...
revela teu corpo queimando um fogo abrasador,
para mim é realmenteum louco castigo,
porém bem mais enlouquecedor
É quando as vezes até finjo
não querer tocar em assuntos de amor.
pois se falares será de outra
e para mim será martírio...
mas talvez um dia percebas
o que escondo nos refolhos
do meu olhar... Tudo para mim
tem sido um castigo, por isso atenta
ao que eu vou te falar...
chegou afinal o grande momento
não posso mais me calar...
..................................................
Nunca saberei o que continha naquela carta
Pois a mesma não mostrava ter um final
Se contudo nem sequer se podia também ler a data
Alí podia estar o fim de um relacionamento
Ou quem sabe um tímido início,porém triunfal

Lamento



Não sei mais o que acontece comigo
As vezes penso que já nada me apetece
Principalmente se já não tens consigo
Aque olhar que há muito me entorpece

Quando olho para dentro de mim
Percebo tristonha o que acontece
É um triste e lamentável fim
Só você parece que não percebe

Fomos um dia um momento de emoção
Mas como toda emoção, um dia se acaba
Deixa vestígios de dor no coração
Põe fim a tudo sem marcar uma data

Se hoje estou triste isso não importa
Momentos felizes vivemos nessa história
Ao menos as lembranças ainda conforta
Quando relembramos cada uma das vitórias

Mas não devemos lamentar o que nos magoa
Se tudo tinha que acabar que seja assim
Nossa história terminou mas foi muito boa
Não devemos lamentar por esse triste fim

Livre dos Grilhões


Não, já não mais existe sentimentos
Encantamentos já não mais perdura
O que existiu foi levado pelo tempo
Ou quem sabe fugiu das tantas amarguras

No passado o teu olhar se embevecia
Diante do mais puro e simples gesto
Hoje o tédio supera qualquer alegria
Que bem mais me parece um desafeto

Jamais pensei que uma coisa como esta
Pudesse um dia entre nós acontecer
Para quem de um sorriso fazia uma festa
Deixar tanta beleza na poeira se perder

Todo sonho tem o seu momento final
Para alguns de alegrias e felicidades
Para outros é um acontecimento banal
Que por vezes se perde na mediocridade

Nossos sonhos nunca passaram de sonhos
Ou que sabe de apenas tristes realidades
Com o coração ferido num pesar tristonho
Busquei o que um dia foi nossa intimidade

Quem sabe o teu sonho não tenha se acabado
Desse jeito tão cruel e dessa forma mesquinha
Talvez ele esteja apenas no tempo parado
Mas esta esperança com certeza já não é minha

Hoje dos sonhos já não me sinto acorrentada
Consegui finalmente dos grilhões me libertar
Fui porém na minha vida muitas vezes enganada
Mas a liberdade finalmente hoje posso abraçar

Agora sem mágoas e bem mais sem rancores
Completamente de todos os pesares livres
Hoje que finalmente já não há mais dores
E que amargura para mim não mais existe

Acordamos dos sonhos que era quase um estertor
E hoje podemos dizer que finalmente tudo acabou
FOram sonhos que cruelmente quase protagonizou
O desenlace final do que foi essa história de amor